Esperas?

Esperas,
Desesperas,
Então chega e tu,
Tu vives...


O que é teu será nos momentos certos nas linhas tortas que tu endireitas, nas frases feitas e nas músicas que ouves pensando ser tuas. A vida não é mais que a mistura de nada que, para ti, faz todo o sentido, a mistura de sorrisos e de olhares em que, de todos, destacas um, em que de todos, só aquele te faz sorrir de forma “aparvalhada”. Começas com uma simples atracão e, de repente, vira-te tudo num amor presente, daquele que te tira a razão, a noção das horas e te rouba o sono na noite. O corpo aquece, estremece, enlouquece e tu, tu vais ou ficas, tu lutas ou perdes. No final o que interessa é tudo o que fizeste, os erros que cometeste, o que aprendeste. Tão pouco importa ter a “ficha limpa” no nosso registo de caminhos trocados, de amores mal acabados, de sonhos inacabados. O que importa é a garra que tens, a vontade que te corre nas veias, a respiração ofegante que te tira o pensar quando vês quem te faz ficar, quando vês quem te faz sonhar. No final, tão pouco importa quem é, de onde vem, o que tem, o que importa é o que tu sentes, aquilo que queres para ti...




Comentários

  1. Acho que a heterogeneidade de cada um é irresistível, então a tua :)

    ResponderEliminar
  2. "...num amor presente" que se tornou num grande presente para desembrulhar meticulosamente...

    Um beijo :)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário