"Dialecto da tua chegada"

Espero-te por aqui, nesta minha vontade sem fim, neste pedaço teu que vive em mim. Espero-te como inqualquer outro homem, espero-te nesta tarde fria, nesta hora tardia. Espero-te, espero o teu beijo envolto no meu, as tuas mãos nas minhas, a tua pele bem colada àquilo que sou...ancorada neste meu sentir. Espero-te em sonhos meus, naqueles que invades, que ficas, que perduras. Podem parecer loucuras mas, eu espero-te, na firmeza de um querer, no desejo do desconhecido, nos dialectos mudos percebíveis pelo ser. Espero-te, quero-te, sonho-te, almejo-te. Tantos verbos conjugados em só dois corpos. Espero-te em qualquer tempo, a qualquer momento, neste meu contentamento, na tempestade interior que emana sentimento. Espero-te nas minhas roupas despidas, nas tuas caídas, nas nossas mãos unidas. Espero-te, mesmo agora, nesta vontade que me devora, nestas linhas que te chamam a toda a hora. Espero-te! Vens?

Carregamento por telemóvel


Comentários

  1. Que música perfeita, até embala!:)

    ResponderEliminar
  2. Outro texto adorável, amo o que escreves!
    resp: Me "desculpe" mas não foi com má intenção

    ResponderEliminar
  3. que palavras lindas as tuas. cheia de saudades, eu que já não passava por aqui á algum tempo !

    ResponderEliminar

Enviar um comentário