Noite...

Os dedos não eram mais que simples beijos que percorriam a pele. O instante era mesmo aquele, dois corpos despidos, moldados, saciados. As batidas eram ritmadas pelo som que ecoava pelo quarto, que se prolongava até as extremidades dos gemidos mudos sussurrados ao ouvido. Os olhos transitavam aquelas quatro paredes, as horas nada contavam, eram apenas paixão, a tesão na sua ascensão pura e, depois de tudo aquilo, veio o amor...


A paixão padece quando surge o amor, não aquele do saciar dos corpos numa cama. Esse é paixão, avassaladora, tentadora, devoradora. Paixão é paixão mas tão bem sabe na manhã seguinte converter-se em amor...



Comentários

  1. Tu sabes sempre como é...desde a expressão pura de orgasmo, à mão quente sobre a curva do corpo quando o sol nasce lá fora. Epah a sério..

    ResponderEliminar
  2. Paixão e amor! A combinação perfeita... em tudo!!! ;)
    Beijinho.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário