Chama-se a isto viver...

Já sentiste o cheiro do mar entranhado na tua pele? Já alguma vez provaste o sabor doce de um beijo roubado? Alguma vez arriscas-te? Saltas-te do abismo sem olhares para trás? Quantas vezes te sentiste, realmente, livre? Quantas vezes chegaste a casa, olhaste o espelho e sentiste orgulho no que és? Será que a vida é, para ti, um ensaio ou um acto, em cena, que não contempla falhas? És feliz? Dizes o que pensas ou pensas o que dizes? Sentes em ti toda a força do mundo? Já partiste? Já desististe? Quantas vezes pensaste em voltar atrás? Agarras-te tudo o que querias? Foste louco? Foste insane? Ou levaste toda a tua vida numa forma contraída? Já pensaste em tentar? Em sorrir? Em arriscar? Já perdeste a noção da hora? Já viste a noite virar dia num banco do jardim? Já chegas-te a casa acompanhado de álcool e de uma vontade incontrolável de parar a rotação da tua cama? Quantas vezes amas-te de verdade? Quantos desses amores conseguiste viver? Já alguma vez fizeste um castelo de areia que viste as ondas levar? Quantas vezes brincavas na rua à espera que tua mãe te fosse chamar? Aproveitas-te cada brincadeira da tua meninice? Quantas vezes deste o primeiro passo? Quantas vezes desististe sem tentar? Já sentiste o tremor do corpo quando olhas para alguém? A barriga a vibrar muito mais do que possas pensar? Quantas vezes largaste as pré-noções, as outras opiniões e amas-te à tua maneira? Quantas vezes foste tu? Já te esqueces-te do passado? Almejas tu um futuro? Então o que esperas? Que alguém te espere? Ou que alguém te dê o que tu não queres dar? Estás com medo de quê? O medo atrasa-te, o compasso marca, a hora avança, e tu? Ficas aí? Ou vais viver de verdade?

surf-ster:

♥


Comentários

  1. Conseguiste pôr-me a pensar... A pensar a sério...
    Beijinho.

    ResponderEliminar
  2. Lamentavelmente a nossa vivência, pauta-se por um autêntico divórcio com o nosso ego.
    O elevado grau de frustração que vimos a assistir na sociedade, advém de uma atitude errante que adotamos.
    Vivemos em função dos outros, e asfixiamos a nossa essência.
    Então coloca-se a questão:
    Não gostamos de nós,
    Gostamos sim é que os outros gostem de nós!
    Isso é, prostituir o carater e a personalidade.
    Tenho este tema abordado no meu blog num post com o título:
    GOSTAS DE TI?

    ABRAÇAÇO

    http://diogo-mar.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  3. Quantas perguntas para as quais não consegui arranjas resposta. A forma como me deixaste a reflectir sobre isto. Mil beijinhos pequeno ♥

    ResponderEliminar
  4. Por vez esquecemo-nos do que é realmente importante. Deixaste-me a pensar, confesso! Beijinhos*

    ResponderEliminar

Enviar um comentário