Chamam-lhe vida...

Chamavam-me livre, um nome comum numa multidão tão incomum. Sou assim, um pássaro em que as asas não tiveram sido cortadas pelo tempo, cortadas por um outro alguém. Dono de mim, sou dono do meu próprio existir, história que me corre nas veias, sonhos que me preenchem o imaginário. Secretamente escrevo de mim, de ti, de nós e, desta forma, aproximo os nossos corpos em melodias antagónicas de um ter e não ter, de um sentir ou de um esquecer. Corro por entre vidas, atravesso destinos, sou  fragmentos desfragmentados ou confissões silenciosas perceptíveis pela inteligibilidade de quem sente como forma de expressão. Tela pintada, rabiscos escritos em cadernos repletos de tudo. Sou mar, apenas e somente água, maré que arrasta, ondulação que beija, areal que te vê passar. Sou tudo isto, um copo de água ou um gim tónico com um sabor intenso a limão. Sou teu ou então sou a liberdade pura de quem ama sem se prender...





Comentários

  1. mais uma vez adorei!
    gosto da comparação com o mar *

    ResponderEliminar
  2. Não acho que o verdadeiro Amor possa ser antagónico.
    Ou pelo menos quando temos dele consciência e para ele nos abrimos de corpo e alma.
    Querer, quer-se sempre. 24/24 horas, queremos aquele amor, aquela pessoa, aquele corpo. e mais nenhum. Se não se quer 24h sobre 24h então não é amor! Se não há certezas (ainda que certezas se motivo aparente) então não é amor.
    O amor não é um trabalho em part time.
    Ainda que por momentos queiras esquecer, porque duvidas, porque estás cansado, porque ... apenas porque queres seguir em frente por te parecer o mais fácil, não consegues. E se pensares bem, não é isso que queres, de todo.

    E se toda a gente quisesse, amasse e se abrisse desta forma, os relacionamentos duravam muito mais, as pessoas eram muito mais felizes e haveria certamente menos traições. Há coisas que requerem tempo, carinho, atenção, paciência e muita muita compreensão.

    ResponderEliminar
  3. N sei se era este o alcance do texto, talvez não, mas fiquei confusa com aquela parte em que falas em ter e não ter e depois sentir ou esquecer.
    Porquê esquecer?

    ResponderEliminar
  4. Um texto mais simples mas com tanto potencial :)

    Em poucas palavras, o tanto em sentimentos.

    ResponderEliminar
  5. És tudo o que tu quiseres, já que és tu que te crias e desenhas a estrada da tua vida! Lindo texto! Adorei! ^^

    Abraço grande :)

    ResponderEliminar
  6. O coracao sente em uma forma tao unica e especial ., as vezes criamos céus , luas, mares , em silêncios de rabiscos que somente a alma possa expressar!! Lindo., todo este fluir em um poetisar! Bjim

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Cris pelos seus comentários tão bons de serem lidos.

      Um Beijo :)

      Eliminar
  7. ps: Contra todas as "evidências" muitas vezes sinto que parte muito mais dele do que de mim. So I hold on :)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário