Rumos Inteiros Transformados em Amor...

Procurei, nas sombras das árvores ou nas ruas sem fim, procurei em avenidas, cafés e almas despidas mas de ti não ouvi falar. Procurei, procurei sem fim numa vila em que as calçadas apregoam amor, em que as janelas fecham-se para uma desumanidade em que não me revejo. Vi ao longe uma imagem, uma figura que se destacava de tantas, que se entregara ao amor sem as barreiras que tantos constroem. Vi, vi em ti aquela diferença que me arrasta, neste turbilhão de sentimentos, nesta forma em que a vida assume um destino resultante das escolhas feitas por mim mesmo. Sonho, sonho meu ali realizado, naquele areal, nas ondas de um mar teu, meu, nosso. Sinto o sangue a correr velozmente por este meu corpo, esta alma que grita o teu nome, ao vento, na noite, numa noite em que se ouve o teu sorrir no meio da multidão. Destino, destino cruzado em que as letras retratam a realidade de um caminhar, caminho vivido, lutado, vencido como as roupas que agarro a este meu ser. Sinto-te em mim, sinto-te nesta terra de ruas estreitas, pessoas desfeitas e contos mal contados. Sinto-te em mim, sinto-te neste vai e vem de almas que não param para ver, que são cegos na forma de viver, que não arriscam com medo de perder. Sabe bem, tão bem ver que ainda existe mudança, mudança neste descrer de tanto em que tão poucos ainda sabem acreditar. Sonho assim, ou então não sonho mesmo, sempre fui um sonhador mas, é isso, que me dá alento, é isso que preenche o meu ser, que tanto significado dá ao meu decidir. Hoje soube de ti, por travessas e vielas, hoje soube de ti e tão bem sabe sentir de quem em nós começou a viver. Acredito nas minhas escolhas, acredito em mim mesmo quando se fala de amor. Mais que o explicar, mais que o escrever, ele é sentido, por um, por dois ou por uma multidão que saiba amar. Há coisas na vida que não têm valor, há outras que não devem ser faladas e outras, ainda, que para serem faladas, carecem de uma segurança para que as pessoas consigam saltar. No amor, no amor é assim mesmo, necessitamos de uma insanidade que nos faça, por momentos, dizer, lutar, mostrar o que queremos, naquilo em que acreditamos e tudo isso deve ser, partilhado com que nos faz sorrir até na hora em que nos vamos deitar...



Comentários

  1. Beatiful :)

    Talvez o meu favorito da semana :P

    ResponderEliminar
  2. Olá André,

    Novamente nos apresentas um texto brilhante, carregado de Amor, tu estás sempre em altas rapaz! Não hà quem "cante" e "chame" o Amor, melhor do que tu. Sempre envolvente e de uma forma muito bela e artistica.

    Achei interessante a parte inicial onde falas do procurar, se bem que por vezes sem procurar acabamos por encontrar, assim como que a ritmo da maré.

    Forte Abraço,
    Bom fim de semana,
    com muita escrita ;)

    ResponderEliminar
  3. Palavras para quê?! Fantastico. Palavras que se faz sentir no coração de quem as lês com gosto e satisfação, que é o meu caso. É facil escrever de sentimentos e de amor, o dificil é fazer passar esse sentimento e esse amor para fora, para os que estão do outro lado, para nós os leitores, e tu consegues isso e muito bem. Um beijo de bom fim de semana

    ResponderEliminar

Enviar um comentário