Descomeço...

Batendo à porta perguntaram-me quem era. Mas que era eu mesmo? Esquecido de mim cheguei aquele lugar, aquele lugar em que as palavras ficaram caladas dentro do meu ser. Mistura de vento e sonhos, assim me designada, mas que nome me dar? Por que nome queria eu ser conhecido? Não tinha respostas mas sim uma quantidade de questões que segurava nas mãos, que juntava ao peito. Com as mãos trémulas escrevi naquele papel que era o André, aquele mesmo que acredita em amor e que vive de sonhos. Não sabia mais porque nome me chamar, apenas era eu e o silêncio tão cravado na minha alma. Sorri, bati novamente à porta e respondi o meu nome, respondi com a minha voz, aquela que se cala, mas que não esquece. O tempo passou, fez de mim outra pessoa, fez da minha história bastante diferente daquela que outrora conhecera. Feliz de mim, feliz do dia que parti sem o rumo que acabei por encontrar, agora, nesta casa, neste mar. Não, não me perguntem a razão, apenas deixo a janela desta minha vida aberta, tão discreta e ao mesmo tempo tão clara. Não, não me arrependo de ter partido, de ter criado este mundo meu, este mundo que uns leem e que outros ignoram, porque na verdade, na verdade aqui sou eu e não outra pessoa em minha vez. Perguntaram porquê que escrevo de amor, porquê que vivo os sentimentos desta forma tão peculiar, eu, eu apenas respondi que vivi com os melhores, que aprendi com quem dá de si, com quem me ensinou a ser um homem de verdade. As palavras aqui ficam, porque essas não se calam, ficam cravadas na folha, na mente, no coração de quem as entende tão bem, de quem as respeita. O meu caminho é este e o meu nome é, este mesmo, André, tão pequeno em letras, mas tão grande história que com ele carrega...




Se é para amar, é para amar sempre, se é para sentir, é para se sentir todos os dias, se é para sonhar, que se sonhe com quem nos faz felizes, se é para lutar, que se lute já hoje e não apenas amanhã...


Comentários

  1. adorei , mas a última parte foi mesmo perfeita *.*

    ResponderEliminar
  2. O trechinho entre as fotos... fizeste para mim? Que pedacinhos lindos (:
    Ficou a minha cara. Eu adorei! *-*

    ResponderEliminar
  3. Bem, tu tens imenso jeito para escrever :) Continua assim...Adorei o texto, mas ultimamente "amar" perdeu o significado que tinha...

    ResponderEliminar
  4. Li o teu texto de uma forma pelicular, lentamente e segura de que iria ler mais um texto belo! E sinceramente, as minhas certeza confirmaram-se, li e deliciei cada palavra aqui transcrita, porque sabes? Escrever não é para quem quer ou para quem precisa, é para quem tem necessidade.
    Honestamente gostei bastante do que aqui transmitiste, um pouco de ti oculto em palavras!

    Espero o teu comentario e a tua leitura em meu blog,
    Beijinhos,
    Pensando com Arte.*

    ResponderEliminar

Enviar um comentário