One night only...

(Hoje entreguem-se à história, liguem a música, passem pelas letras, retratem elas nas fotografias. Espero que gostem, um texto diferente, hoje complementa-se tudo, a audição, a visão e o sentimento que percorre cada linha deste texto...)

Cantava as melodias de um amor perdido, cantora de voz infindável, de uma paixão incontrolável. Ele, ele vivia nas ruas daquela grande cidade, perdia-se por avenidas e travessas, por becos e ruelas. Sofriam no silêncio das noites e no calor dos dias, ela cantava no bar em que sempre eles se cruzavam e ele? Ele vivia na solidão de um sentimento inverso, de um amor difuso. Queriam apenas mais uma noite, mais um dia de desejo em que se entregavam para se amar, para se sentir, para se recordar. Gritavam ao mundo gritos mudos que vinham do coração, esperavam as estrelas brilhantes mas apenas tinham os holofotes da ingratidão de uma vida, do desprezo de um destino. Caminhavam sem saber onde parar, onde recordar, esqueciam-se de si e entregavam-se as personagens que lhes desenhavam, aquelas mesmas que ela cantava esquecendo-se deles, do que queriam, dos laços que permanecem agarrados aqueles dois peitos, aquelas almas que se procuram sem se tocar, que se amam sem se falar. Olhares cruzados, sentimentos amargurados, tudo expresso na voz dela, tudo mostrado nas lágrimas dele. No amor vive-se a intensidade de cada fragmento de tempo, procura-se cada pormenor, respeita-se cada diferença. No amor, naquele de verdade permaneces tu e não deixas a tua alma, continuas a acreditar nos sonhos tendo mais uma pessoa com quem os partilhar, tens mais de ti, tens mais de um outro alguém. Pediram e ali agora estão eles, tão juntos, tão separados, olhares cruzados e um arrepio fresco que percorre a pele daqueles dois amantes, daqueles dois lutadores. Amando-se em silêncio, querendo numa repressão que ambos criam, que ambos constroem. Onde se encontra o futuro? Onde se encontra a vontade? São perguntas que não encontram resposta, são dúvidas que parecem se ter instalado naquele lugar, naquelas duas pessoas. Sem acreditar não se tem o que se quer, sem lutar não se consegue o que se sonha, sem amar não se vive mais uma história, sem falar não se criam recordações, sem se ver não fica a saudade, apenas fomenta-se o esquecimento...








Comentários

  1. Para além do texto estar excelente, da ultima frase estar perfeita e de concordar com cada palavra, escolheste uma música linda para acabar em beleza. Gostei muito.

    ResponderEliminar
  2. Gostei muito do seu blog e não resisti, em segui-lo claro !

    Amei o seu texto, principalmente, a parte que destacou ... *-* está perfeito !

    ResponderEliminar
  3. Obrigado por ainda leres os curtos e espaçados textos que la aparecem ;)
    Eu tento expressar o que sinto mas nem sempre é fácil ;)

    "No amor vive-se a intensidade de cada fragmento de tempo, procura-se cada pormenor, respeita-se cada diferença. No amor, naquele de verdade permaneces tu e não deixas a tua alma, continuas a acreditar nos sonhos tendo mais uma pessoa com quem os partilhar, tens mais de ti, tens mais de um outro alguém."

    Que perfeição, está uma frase pura e simplesmente linda! E verdadeira acima de tudo ;)
    Continua com estes teus textos fantaticos
    Um abraço

    ResponderEliminar
  4. Sorri muito com teu/seu comentário , obrigada :)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário