Amor, a vida de um amor...

Toque suave em pele macia, corria por entre as folhas daquele jardim na tua direcção. Fina tarde de primavera em que se vivia o amor resplandecente daquele sentir, a emoção do toque, a verdade do querer. Sonhos sonhados, presentes reais de um batalhar constante. Deitados naquele toalha de puro algodão, junto aquele riu, entregues a paixão dos minutos que por nós passavam e que em nós deixam a marca de um verdadeiro amor, do nosso amor. ouvia-se o barulho da natureza, o cantar dos pássaros que faziam o hino daquele nosso momento, daqueles instantes em que o mundo eramos apenas nós, o bater do meu, do teu coração e o sabor dos lábios que se tocavam que se sentiam. As horas passavam a uma velocidade galopante e a noite caiu, entregues ao desejo ali nos amamos, ali nos entregamos um ou outro sobre promessas cumpridas, sobre o toque, aquele que fala no silêncio, que se compreende na intimidade. Passava a mão pelo teu cabelo, passavas as tuas pelos meus olhos e sem palavras, sem gestos sentimos dentro de nós o amor que tínhamos, sentimentos percorrer por entre as veias o que não se explica, o que apenas se sente. Ali ficamos deitados, contando as estrelas, confessando os nossos mais secretos segredos, sonhos de meninos, medos que ficaram e desejos de sermos felizes, de construirmos uma história real, um amor capaz de romper barreiras e fronteiras. Queríamos ali ficar, tínhamos a necessidade de ali ficar, tudo naquele momento era nosso e em nós permaneceu, tudo aquilo era o que nos fazia verdadeiramente felizes, sem necessidade de mais nada, sem procurarmos mais alguma outra coisa. Os amores vivem do que lhes damos, as histórias sobrevivem sempre que se acredita, os sonhos permanecem sempre que se tem o dom de os preservar. Os olhares ganham significado sempre que deixamos transparecer neles o que o coração aprisiona e as pessoas ganham valor, tornam-se únicas, não por aquilo que mostram, não por aquilo que vestem, mas sim por aquilo que são verdadeiramente, por aquilo em que acreditam, por aquilo que permanece por mais que os outros tentem derrubar...






Comentários

  1. estas imagens são a cereja to teu texto =)
    Abraço, aposto num livro rapaz :P

    ResponderEliminar
  2. Não tens nada que agradecer ;)
    Sério? gostaste mesmo? ;$ (isso foi muito bom saber *.*)
    Olha, podes passar sempre que quiseres e eu agradeço ;D
    Em relação a este teu texto....esta lindo ;o *.*
    Bjinhos querido ;D

    ResponderEliminar
  3. Adoro o que escreves, consegues tirar qualquer pessoa do tédio, obrigada :3
    tens fb? se tiveres podes-me dá-lo???

    ResponderEliminar
  4. Muito obrigada! É bom sentires que estás presente no meu blog :))

    ResponderEliminar
  5. -------
    ADOREI, está simplesmente liindoo *-*
    -------
    Obrigado pelo comentário, tem que ser assim, não podemos viver mas sempre podemos sonhar, imaginar, imaginar para além de todas as barreiras, de todos os horinzontes... Se sonhar nos faz felizes, então SONHEMOS... (:
    -------

    ResponderEliminar
  6. obrigada de coração!
    um beijinho. :)

    ResponderEliminar
  7. tens razão, vou tentar aproveitar tudo até ao fim. obrigada pela força constante!*

    ResponderEliminar
  8. óh obrigado pelas palavras, é mesmo bom ver que gostas-te :)
    o teu texto também está lindo, como sempre e adorei a frase: 'as histórias sobrevivem sempre que se acredita' porque é mesmo a verdade! beijinho*

    ResponderEliminar
  9. obrigada pelas palavras, é sempre ótimo lê-las:') obrigada, beijo

    ResponderEliminar

Enviar um comentário