Porque o que é verdadeiro não se esquece...

Coleccionador de recortes, velho guerreiro cansado, amante vivo, amor eterno que ali permanece, naquela voz rouca, naquele coração que ainda bate por quem um dia lhe prendeu o olhar, por quem fez dele pessoa numa história que ainda sobrevive. Sonhador, sonhador e contador de histórias, narrador de aventuras, de amores e desamores, de partidas e chegadas. Fala de amor, de um amor que ele nunca duvidou, de um sentimento capaz de derrubar barreiras, de transpor fronteiras e de formar vida em quem dela se esquece, em quem encontra o seu caminho no momento em que acredita em si mesmo. Hoje encontra-se apenas ele, num monólogo consigo próprio, com o sentimento que nele cresceu, amadureceu e permaneceu. Sentimento presente, ardente, ausente, tudo marcado por períodos, por momentos em que errou, em que aprendeu, em que desculpou, em que até mesmo pediu perdão. Intenso no seu pensar, incapaz de se enganar, viveu e vive a vida que se coaduna com o seu querer, com aquele sonhar singelo de criança que se viu repercutido por uma vida, por um caminhar em que jamais se esqueceu de si, em que nunca deixou de ser quem era para ser uma réplica de um outro alguém. Sempre ouviu dizer que se há amor há compreensão, há querer, não existem desculpas, atrasos, demoras ou outra série de obstáculos. Acredita que quando se vive um amor, um amor de verdade, corre-se, diz-se, revela-se e partilha-se e não apenas se guarda, as pessoas não se entregam ao orgulho, o coração não aprisiona o sentimento. Porque quando é amor, aquele que muitos falam, que outros tantos desconhecem, ele é vivido, não há partidas, não há regressos, porque o que é verdadeiro fica, o que é verdadeiro não desaparece, o que é verdadeiro, com toda a certeza, não se esquece... 




Arrependimento é o que fica quando o presente te mostra que te agarrares a um passado foi a pior opção que tomaste. A vida segue, as pessoas avançam, o amor altera-se e tu? Tudo fica igual...

Comentários

  1. "Arrependimento é o que fica quando o presente te mostra que te agarrares a um passado foi a pior opção que tomaste. A vida segue, as pessoas avançam, o amor altera-se e tu? Tudo fica igual..."

    Pela primeira vez vejo que não me deixei ficar presa ao passado em momento algum. Levanto-me com uma força que não conheço e sigo de cabeça erguida pela rua. Às vezes basta ter os apoios certos! :)

    ResponderEliminar
  2. Fico muito contente por saber que gostam do que escrevo. Muito obrigada, a sério :)
    O que dizer do que escreves? Tens o dom de nos maravilhar com cada frase. Este é mais um dos teus textos que gostei muito de ler. Quando há amor tudo se supera, ou pelo menos, vontade não falta para que isso aconteça.

    ResponderEliminar
  3. sim, o que sentimos um pelo outro, é realmente puro e verdadeiro. fico feliz por gostares do que escrevo* obrigada (:
    mais uma vez,adorei o post !

    ResponderEliminar
  4. Olá,
    passei por aqui por um simples acaso e gostei muito do seu blog, de verdade!
    Me identifiquei no seu perfil quando vc diz: "Sou mistura do querer e do esquecer, do amar e do partir."
    E ao ler seu texto achei incrível principalmente pela frase "o que é verdadeiro não desaparece, o que é verdadeiro, com toda a certeza, não se esquece... " eu realmente adorei seu espaço, voltarei para visitar mais vezes
    Bom domingo

    http://moniabrao.blogspot.com.br

    ResponderEliminar
  5. Adorei todos os teus textos....simplesmente LINDOS!
    tens imenso jeito!(:

    ResponderEliminar
  6. Nossa gostei muito do seu blog , essas suas palavras cairam muito bem em mim , na atual situação em que me encontro ... Se puder me add no face , pois não te achei lah

    Andréia Flor de Liz

    email andreia_enfermagem2010@hotmail.com


    Grata

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pelo comentário e pela companhia.
      O Blog Pedacinhosdemimparati, apenas está online através do blogspot e não pelo facebook.
      Irei ver se um dia destes levarei o blog também para lá.

      Obrigado pela sua visita :)

      Eliminar

Enviar um comentário