O viver de Martim e Pilar...

Segredavam ao ouvido, aquelas palavras que lhe aqueciam o coração, aquelas histórias que o permitiam sonhar num mundo cada vez mais irreal. Livre, livre se definia na sua essência, era um guerreiro por natureza daquelas lutas que até mesmo se tornavam inglórias. Vivia naquele momento, naquele seu amor em que o coração ditava as regras da sua vida, os simples fragmentos que formavam o todo que tão bem conhecia, que partilhava com quem um dia entrou pelo seu peito e lá permaneceu numa dança que lhe dá vida, num viver que lhe dá bem mais do que simples sorrisos, dá motivos para os rasgar a toda a hora. Acredita no amor, o que seria da vida dele sem amor? Questiona-se constantemente. Sabe que o seu sonhar ali o levou, aquele simples balouço à beira do rio, em que o sol trespassa sobre as ramadas daquela árvore, sobre o jardim que se encontra mesmo de frente à sua casa. A mesa está colocada, o cheiro da comida abre-lhe o apetite para mais um manjar que tanto gosta, hoje vai saborear os sabores das suas raízes, daquele país que partiu, ainda em pequeno, para nunca mais voltar. Descobriu aqui o amor, descobriu aqui o rumo a tomar baseado nos sentimentos que lhe constituem, naqueles sentimentos que fizeram de criança homem, de homem um só coração. Caminha sobre as folhas caídas no chão e escreve naquelas rascunhos que se tornam o espelho da sua alma, o viver de dias bons mas com a presença de dias que também o invadem, de negrumes passageiros e de partidas inesperadas. Hoje vive um presente, um presente tão real dentro de mais um capítulo que escreve, dentro da sua história, da história daqueles dois corações que ali se amam, sem barreiras nem fronteiras, livres e somente agarrados aquele sentir, aquele mundo que formaram imune ao que de mal vem de fora, resistente às palavras que muitos proferem mas que nada valem para eles. São eles, apenas eles, Martim e Pilar, dois corações, duas pessoas, um só amor...




Comentários

  1. ler o que escreves deixa a minha mente a imaginar tudo, deixa que seja eu viver cada momento, a passar por todos os sentimentos e lutas, faz-me pensar que realmente existe um homem só não sei bem onde, é aquele homem com H grande, que sente tudo o que sinto, vive todas as histórias que escrevo e compreende-me como mais ninguém me compreende esse o homem que vagueia por caminhos que um dia vão de encontro aos meus...

    Um beijinho c:

    ResponderEliminar
  2. permita-me dizer-lhe mas oh, eu já tinha saudades suas. saudades do carinho sincero que distribui em pequenos comentários ao meu cantinho. é que sabe, você já faz parte daquele meu mundo, deste mundo com quem eu gosto tanto de desabafar. e ah, não era só disso da qual sentia falta! é que a sua linda escrita também deixa o meu coração a sorrir.

    ResponderEliminar
  3. Está deveras apaixonado. Seus textos estão cada vez mais lindos !
    Beijo doce.

    ResponderEliminar
  4. Há demasiadas pessoas a querer, a fazer, a pensar, a "sentir" o mesmo. Como se isso fosse sequer possível. Somo pessoas diferentes, únicas. Ninguém sente o que a outra sente. Sente parecido mas nunca igual. Eu cá luto diariamente para ser diferente. Penso que consigo :P

    Um abraço

    ResponderEliminar
  5. Martim e Pilar: duas pessoas diferentes unidas por um único sentimento: o amor!
    Amar não é está feliz todos os dias com a pessoa amada...amar é está infeliz e mesmo assim saber que a pessoa amada está ao seu lado.
    ---
    ps: Gostei do novo designe do blog! Seus posts a cada dia estão ficando mais sedutores.

    ResponderEliminar
  6. Olá André,

    Estás bem?
    Com o amor, nunca estamos mal, quer sejamos nós personagens ou não, dessa peça de teatro, que é a vida, que todos os dias encenamos.

    Pilar a Matim, Pedro e Inês. Ultimamente, tens dado nome aos teus amores, às tuas personagens. O texto, prosa, fica mais identificado e quem tiver estes nomes e ler o que tu escreveste, veste essa pele, mentalmente falando, é óbvio. E sente-se bem, familiarizado.

    Como és homem, tens aqui um séquito de meninas, de belas donzelas, à excepção do Historiador Cícero, sempre prontas a te darem um pouco do seu coração e emoções.
    Bom, algumas só usam adjectivos... falta de palavras, no momento, TALVEZ. VAMOS ACREDITAR, QUE SIM, MAS A SOCIEDADE É TÃO COMPLEXA E SIMPLES, AO MESMO TEMPO.
    Gosto de estudar os comportamentos das pessoas. Bem, estou a falar com um mestre.

    EU SOU O CONTRÁRIO, E ASSIM, VOU TER DE PÔR AQUI UM PONTO FINAL, CASO NÂO, A PÁGINA DE COMENTÁRIOS FICA POR MINHA CONTA.

    Vamos então ao teu texto: vive-se um amor, mais um amor, mas este em cenário agradável, idílico, para eles e para nós, que sentimos cada gesto deles.
    O que interessa é o que agora se está a viver. O passsado fica para a História e o futuro, a Deus pertence.

    Belas e giras imagens acompanham o teu texto.

    Beijos de luz.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário