Desculpem-me...

Falei contigo nas prosas das minhas palavras, mostrei os sentimentos que um dia se tornaram tão fortes dentro deste meu peito, deste meu sentir capaz de mover mundos e de encher corações que como ele sentem. Segui os caminhos de uma felicidade que acredito, sou cheio de sonhos, de músicas que me enchem o imaginário sem que este se derrube mesmo na minha frente, sou a força, a força de um jamais desistir daquilo que quero para mim, das pessoas que se tornam espelho das minhas alegrias, das minhas frustrações e dos meus grandes amores. Vivo de pequenos instantes e, estes, matem tão viva a chama da minha vida, desta minha estranha forma de viver que repudia tudo aquilo que se torna igual, simples réplica de pessoas e de sentimentos que nem quero para mim, nem consigo contemplar na minha vida. Vivo num mundo em mudança, num mundo que se alimenta de amores líquidos, de amores que sobrevivem pela atracção de corpos e de sorrisos e não de sentimentos, de amores que conseguem derrubar barreiras e viver de pequenos instantes, de capítulos que formam pessoas e não reproduções do que é sentir, de palavras que nem encontram significado e de promessas que nem se chegam a cumprir. Ainda acredito num amor verdadeiro, num amor em que o coração dita toda a história e que as pessoas são bem mais do que simples corpos, são coração, são um sentir que faz com que os sonhos sejam vividos, lutados e as utopias deixem de existir para dar lugar a uma realidade, a um presente. Desculpem se assim vivo, de ainda ser um sonhador de romances escritos e de histórias de crianças, desculpem se ainda consigo sonhar por mais que me cortem essa faculdade, desculpem se sinto com todas as minhas forças e não consigo fabricar um sentimento, desculpem se prefiro viver por um amor do que coleccionar aventuras, desculpem se não consigo proferir as palavras sempre que não as sinto, desculpem se ainda vejo o amor como o sentimento mais forte à face da terra e não o remeto para histórias efémeras que nem se coadunam com a minha forma de estar. Desculpem quem não pensa assim, quem não sente assim, mas eu acredito e, enquanto acreditar, sou feliz assim, sou feliz porque vejo que vivo realidades e não histórias gastas pelo tempo...




Há e sempre haverá um lugar no meu coração para os meus sonhos, para a minha história, para o meu amar, ou seja, para o meu viver à maneira como concebo a minha felicidade...

Comentários

  1. Hoje mesmo eu estava a falar sobre as pessoas que não sonham. Que são "atrasadas" ao perceberem a beleza de amar com tamanha intensidade e amor. Elas não conhece esse que é demasiado e repleto de esplendor, que chegam a assustar.
    Não me peça desculpas... está lindo o seu texto!
    Beijos :*

    ResponderEliminar
  2. Amei o que escreveste, amo este cantinho :)

    ResponderEliminar
  3. Ohh, muito obrigada pelas tuas palavras. É sempre bom ler isso, ainda mais quando precisamos mesmo de o ler.
    Vou me tornar uma leitora compulsiva deste teu lindo blog e claro, vou segui-lo.

    ResponderEliminar
  4. oh, muito muito obrigada, meu querido!
    este texto está fantástico. eu sou apologista da forma como vives, e também partilho da opinião de que o amor é o sentimento mais forte à face da Terra. a sério, escreves maravilhosamente bem, nunca deixes de o fazer!*

    ResponderEliminar
  5. Oh muito obrigada pelo teu comentário :´)
    Obrigada a sério. E eu vou lutar sim. Ele é demasiado importante para mim,assim como aquilo que eu sinto por ele (e ele por mim) para o deixar escapar :)
    Quanto ao texto: lindo como sempre!
    Adoro estes teus textos porque fazem-me lembrar dele.
    Fazem-me acreditar que um dia vou puder ser feliz com ele,assim como tu és feliz com essa pessoa especial :)

    Beijinho* ,e mais uma vez obrigada :)

    ResponderEliminar
  6. Sim realmente, não escolhemos quem queremos, e eu sei bem o que é isso.
    Escreves tão bem, adorei, está lindo!

    ResponderEliminar
  7. obrigada , também gostei imenso do seu :)

    ResponderEliminar
  8. Desafio para ti no meu blog :) Beijinho, boa semana!

    ResponderEliminar
  9. oki :) ainda bem que sim! beijinho.

    ResponderEliminar
  10. Dizem que o amor é um sentimo brega.
    Pessoas se afundam é relacionamentos meia boca, como dito no post" amores liquidos".

    ResponderEliminar
  11. Fazes bem em acreditar! Eu pessoalmente já desisti do verbo amar faz já algum tempo. Mas na profundidade do meu ser, creio que ainda existe a esperança de um novo amanhã, de um novo sentimento. Tempo, aprendi a louvar esta palavra. O texto está excelente e a forma como te exprimes é cada vez melhor. Gostei muito, estás de parabéns. :) Beijinho *

    ResponderEliminar
  12. O sonho comanda a vida, o que seriamos de nós sem sonhos? São eles que traças objactivos, são eles que nos fazem lutar.
    E existem sim, amores puros, verdadeiros e imortais. Amores em que, como tu disses.te e bem, "um amor em que o coração dita toda a história e que as pessoas são bem mais do que simples corpos, são coração, são um sentir..." por isso nunca deixes de acreditar.

    Sei que já se torna repetitivo mas eu adoro os teus textos e gosto muito da meneira como encaras a vida e da forma como ves e sentes do amor :)
    Beijinho*

    ResponderEliminar

Enviar um comentário