Presente na ausência...

Desconhecia o rosto do teu coração, desconhecia o teu olhar em que me perdia nos momentos em que o coração chamava por ti, pelo nome que continua ancorado neste meu peito rasgado aos ventos de um amor perdido. Caminhava por entre as recordações nebulosas e os cheiros intensos da tua pele, da pele em que o toque se revelava o refúgio para os meus sonhos, para os pensamentos desnudos de uma solidão que em mim não permaneciam quando ainda fazias parte desta minha história. O tempo passou, passou de uma forma desassoreada por este meu corpo restando o vazio das palavras sentidas e o calar do coração que parece lembrar-se do teu nome em simples laivos de uma memória que prima por te esquecer. O coração limpou as escaras que antes o forravam e agora é feliz, os raios de sol penetraram dentre dele fazendo com que as suas janelas abrissem mesmo que a porta ainda continue fechada. Foi o amor, aquele mesmo amor que já há tempo não sentia neste meu pequeno grande mundo, aquele amor que me transporta para as noites de Outono em que o cheiro das castanhas entrava-se pela nossa vida, pela minha vida. Eram nesses momentos que via o amor como uma barreira intransponível, aquela que se vivia com a intensidade de um Amo-te sentido e não apenas repleto de um vazio, desprovido de um sentimento que ali estava tão vivo em nós, tão real nas nossas aventuras. Parti e hoje sou o que sempre quis ser livre, livre na forma de amar e de pensar, não gosto de prisões porque a vida não pára e prendermo-nos é prender os poucos instantes que temos para sermos felizes, prendermo-nos é acabar por viver esta efemeridade no refúgio da mágoa que não nos deixa sonhar e isso, isso o que vale? Nada e agora vejo tão bem isso, agora vejo o que ficou por viver mas o que me enche de alegria é que ainda há tanto que se pode fazer, tanto que se pode amar.  Caminho para, desta forma, não parar, não ficar estagnado num passado que se pode repercutir num futuro, no nosso futuro, quem sabe. Amo e disso não consigo fugir, deixo de ser sombra e passo a ser a personagem principal da minha história, daquela mesma história em que tu encontras o teu papel, o papel que não precisa de encenações, não precisa de guiões, apenas e somente o coração, aquele que sei que possuis, que tens cravado no teu peito mesmo que a vida te prenda o sonhar. Dou-te as asas que precisas para voar, as raízes que te fazem voltar e os motivos para ficar porque para mim o amor é mesmo assim, um amar sem prender, um sentir sem cobrar, um viver com capacidade de sonhar, um lutar mesmo sem antes desistir. As escolhas passam por cada um de nós, por o caminho que percorremos e o que hoje é igual a tudo, amanhã poderá ser o tudo na nossa vida...








Comentários

  1. Meu deus,tens mesmo um talento nato para a escrita!
    Sinto-me uma total amadora ao teu lado xD
    Já penses-te escrever um livro? Olha que o comprava! :)
    Bem..mas voltando à temática do post e esquecendo um pouco as tuas capacidades de escrita (o que é difícil porque não consigo "descolar" os olhos dele :) ) : vejo que esta pessoa te foi muito marcante na tua vida,e ainda o é.
    Sabes,tenta pensar que nem tudo é/foi mau.
    Pensa que se foi possível viveres momentos de felicidade e verdadeiro amor com essa pessoa,também vai ser possível com outra.
    Podes ter só um coração,mas acho que ele é grande o suficiente para dar lugar a outras futuras,apesar de estar "dorido".

    Beijinho* e espero que continues forte e de cabeça erguida.
    Força!

    p.s-muito obrigada por todos os comentários,por todo o carinho e apoio que me tens dado!
    Obrigada!! <´3

    ResponderEliminar
  2. Aw, eu digo o mesmo. Adorei isto e como diz a Aurora: está divinal <3

    ResponderEliminar
  3. mais outro texto que me deixou estupefata, amei! fico muito contente por teres gostado, até porque foi um desabafo que estava preso dentro de mim já à muito tempo e não esperava de todo que fosse agradar alguém. beijinhos :)*

    ResponderEliminar
  4. oh pedacinhos, é claro que eu gostei do teu novo post. não existe um que não goste |:
    realmente, não tenho escrito como antigamente o fazia mas não te preocupes, não tarda nada te algo por lá :p

    ResponderEliminar
  5. oh obrigada meu caro andré, sempre com as palavras mais doces, obrigada mesmo.

    ResponderEliminar
  6. eu aqui fiquei sem palavras completamente,esta estrondoso

    ResponderEliminar
  7. Olá André,

    FREE? Não vais ter mãps a medir!
    Li e reli o texto, que escreveste, e como sempre, a temática é o amor.
    Fiquei contente, porque o teu coração já não tem escaras (mas, as escaras formam-se em idades avançadas, estou a brincar) e deixaste entrar os raios solares.
    É bom sinal, precisavas de luz, que te aquecesse e iluminasse a alma.

    Começas agora a fazer o percurso no sentido inverso, entendes, decerto, o que quero dizer.
    Agora, vais parar em todos os lugares e reparares nos pormenores e nas coisas menos boas, que fizeste e por onde passaste.

    O MUNDO É COMPOSTO DE MUDANÇA.

    Que venham novos horizontes, soprem ventos novos e que aquela estrela surja na tua vida.
    Depois, dá-nos a novidade, em forma de texto, claro.

    Boa semana, André.
    Agradeço o teu comentário.

    Beijinhos de luz.

    ResponderEliminar
  8. escribes tan hermoso que dejas congelado a cualquiera, tus letras me atrapan, solo te pido un favor, nunca dejes de escribir. :) un gran abrazo.

    ResponderEliminar
  9. Que texto lindo... penso, penso e mais me encanto...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário