Por entre palavras...

Acordei com saudades da tua pele, do sorriso em que transparecia um amor diferente, um amor que ambos nutríamos com os nossos sonhos e com a nossa luta constante na construção de uma vida feliz, de um sentimento sentido tanto por mim que te amava, como por ti que vivias esse amor como projecto de vida. Corremos mundos, vivemos as mais bonitas histórias que até hoje guardo como tesouros do meu ser, como simples fragmentos que fazem do meu coração aquilo que é hoje, amo sem medos, vivo sem prisões e sinto de uma forma verdadeira repulsando tudo o que se torna irreal numa vida que eu quero que seja verdadeira acima de tudo. Nos meus braços contínuas a ter o refúgio das tuas mágoas e no meu corpo encontras as noites de uma paixão em que das palavras sobram os gestos e dos sorrisos os gritos de um prazer que faz parte de nós, que faz parte integrante do que idealizamos para a nossa vida. Vivemos sem pudores, entregues ao amor e isso jamais é condenável, descobri contigo que a felicidade depende daquilo que queremos e não do que os outros dizem, aqueles mesmos que tanto falam saber e ao mesmo tempo desconhecem tudo, são repletos de um vazio interior que acaba por me sufocar a alma sempre que vejo que as palavras são empregues de uma forma tão distorcida tornando-se capazes de romper com amores e de desfazer em mil pedaços corações que não sabem sentir e guiam-se pela voz de quem nada sabe, de quem nada conhece. Pessoas, as pessoas são mesmo assim, quantos de nós já partimos sem mesmo lutar? Deixamos tudo porque não seguirmos o coração e mais uma vez fomos nas palavras de um outro alguém? É por tudo isto que não vou nas histórias de ninguém, construo a minha e apenas essa conheço, conheço quem entra no meu mundo, conheço cada gesto e amo de uma forma apenas minha, de uma forma diferente, apenas e somente por aquilo que sinto e não por o que os outros sentem por mim. Sei que a felicidade depende disso, e infelizmente, cada vez mais vemos a infelicidade estampada no rosto de quem abandonou o coração, esqueceu-se de si e viveu como outro alguém. O amor é mesmo assim, o partir, o lutar, o esquecer e o amar, o amor é mesmo assim, aquilo que construímos à nossa maneira, com os nossos sonhos e não com simples laivos de uma história dispersa de nós, em que não respeita o que mais queremos, em que deixamos de ser nós e vivemos como tantos outros, de uma forma igual, de uma forma em que jamais vamos poder brilhar por aquilo que somos, por aquilo que sempre tivemos o dom de sonhar... Se não for neste dia, que seja nesta noite, se não for hoje, jamais irei voltar a amar-te, porque o amor é mesmo assim, hoje vivo, amanhã perdido...


Comentários

  1. cada elogio que me dás é uma alegria que adquiro e olha, fico tão contente por, mesmo que tenhas o teu dia a correr mal devido tanto a mágoa como cansaço, vires ao meu blogue e só isso te fazer sorrir. muito obrigada mesmo, meu top seguidor :p

    ResponderEliminar
  2. Ai o que o amor nos faz andré, faz nos ser completamente outra pessoa. beijinhos *

    ResponderEliminar
  3. "O amor é mesmo assim, o partir, o lutar, o esquecer e o amar, o amor é mesmo assim, aquilo que construímos à nossa maneira, com os nossos sonhos e não com simples laivos de uma história dispersa de nós..." O que mais se pode dizer depois disto?!
    Amei o texto e adoro a tua maneira de escrever. :)

    ResponderEliminar
  4. receber os teus belíssimos comentários é para mim muito gratificante e só demonstra que és um seguidor assíduo do meu cantinho.
    relativamente ao teu comentário, obrigada. vivo o amor da melhor maneira, é uma verdade, porque este me transmite uma sensação de liberdade e preenche-me a alma e que penso que nem todos terão o prazer de sentir uma vez que seja durante toda a sua existência.
    este teu espaço está magnífico e este texto não é excepção. a seta do cupido também te acertou em cheio :) gostei muito.

    ResponderEliminar
  5. aiii +.+ sabes? é mesmo o que eu quero fazer para a mina vida toda. é mesmo isto o indicado para mim.

    ResponderEliminar
  6. "É por tudo isto que não vou nas histórias de ninguém, construo a minha e apenas essa conheço".
    É exactamente o que deves fazer! E tu és o único que escolhe que personagem deve entrar na tua história e,se as coisas não correrem bem,retiras essa personagem da história!
    Sim,a perda de uma personagem numa história faz uma falta terrível,mas não é por essa personagem sair da tua história que não vá entrar outra nova personagem e que a história não vá continuar!! =)

    Desculpa por falar em termos metafóricos,mas acho que seria uma maneira mais delicada de falar sobre o assunto.
    Não queria ser muito bruta :s

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  7. Obrigado pelo o teu carinho e os teus comentários que me dão um pouco de esperança. Como sempre adoro os teus textos, tens uma escrita extraordinariamente linda e uma sensibilidade para fazeres passar o que sentes através de palavras. <3

    ResponderEliminar
  8. Doi doi suas palavras... me inclino para concordar, mas espero, com toda a alma, não serem verdadeiras! Grande abraço meu amigo!!!

    ResponderEliminar
  9. Ao contrário do que comentei no post anterior, achei este texto bem mais fácil de ler! (devo ser eu que já me tinha desabituado de ler coisas assim mais elaboradas lol).

    Quando se ama alguém, é mesmo assim uns dias se está bem, outros dias parece que estamos de rastos...
    Mas penso que isso só deve perdurar até termos a "certeza" que a relação irá perdurar na eternidade (mesmo assim há dias sempre piores que os "normais")

    ResponderEliminar

Enviar um comentário