O Desejo na brisa fresca da noite...

Sentia o grito fulgurante no meio do silêncio das palavras ali empregues, estavas tu e o teu olhar dizia tudo, os teus gestos mostravam o desejo de um amor que há muito tempo parecia esquecido nos nossos corações. Chegaste e sussurraste-me ao ouvido, aquelas palavras que traziam a brisa de um momento em que não existia mais ninguém a não ser apenas nós, despidos de um falso moralismo e entregues nos braços um do outro, naquela noite que acabou com os primeiros raios de sol do dia. Sentia a tua pele salgada, os teus lábios pediam os meus e assim, de forma natural, fomos tirando as roupas por aquele areal, naquela noite em que a lua tocava o mar e as ondas batiam sobre o horizonte levando dos nossos corpos apenas o desejo carnal e as palavras quentes de um Verão que parou para nós o vivermos. Despidos ali estávamos, tapados pelo lençol que tinha o cheiro da tua pele, que tinha uma paixão entranhada em cada fibra que te cobria o corpo e que te deixava apenas com a sensualidade de um corpo tão perfeito que superava as imperfeições que todos temos, que todos tentamos esconder. As velas iluminavam aquele nosso cantinho, aquele nosso refúgio em que as músicas ecoavam no meio das rochas fazendo de nós amantes da nossa própria história, da construção do nosso presente feliz, visto que o fim é incerto e eu e tu apenas vivemos o que temos nunca esquecendo o que poderemos ainda vir a ter. Os corações fundiram-se por entre as mantas e os morangos que eram banhados pela bebida que sempre gostaste, por aquela que preenchia todo o imaginário que um dia disseste que gostariam de viver, gostarias de sentir. Sentimo-nos um ou outro, os teus cabelos passavam pela minha pele e a minha boca acariciava cada curva do teu corpo que tão bem conheço, que nunca esqueci. As mãos agarravam-se umas nas outras, pedia-se mais e parecia que o desejo, há tanto tempo reprimido, parecia insaciável, a roupa perdeu-se e nem nos preocupamos com mais nada, apenas com o viver de um amor, do nosso inesquecível amor... 

Comentários

  1. Olá André,

    Mais um texto de amor, amor recordado, sonhado e desejado.
    Mas, dizem, que recordar é viver.
    Tenha uma excelente 6ª feira.

    Beijos de luz.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário