Nunca se esquece...

As palavras perderam o sorriso, o amor perdeu a direcção e hoje é a sombra de um amanhã adormecido, de um futuro desconhecido em que aventuro-me passo a passo em cada dia que a força parece bem maior do que um triste fado que fala de saudade. Os caminhos parecem longos e não há tempo para voltar atrás numa história que ficou presa num tempo, num espectro do que um dia era bem mais do que a irrealidade de um amor sonhado por quem nunca se esqueceu de sentir. A amargura das palavras dá lugar ao silêncio da ausência delas e não dói por mais que pareça estranho, não dói este nada que agora é presente num capítulo que já começa a dissipar-se. Finalmente as músicas já não são as mesmas e as vozes confundem-se neste túnel que já apresenta um fim próximo, mais próximo do que simples passos de criança que não sabe o que é real e o que é ficcionado. No peito transporto aquilo que jamais se perde, por mais que os desabafos sejam o espelho da alma, de uma alma que esquece-te a cada dia que passa e a cada raio de sol que volta a entrar pelas frechas que se encontram no tecto, neste mesmo tecto que irá ficar para trás quando voltar a ver de novo o sol por completo. Soube bem pegar nas trouxas e partir, largar um amor que parecia ser um mundo, um pequeno mundo comparado com este que agora conheço, que agora traço como parte integrante de um sonho que o destino nunca me impossibilitou de sonhar, de lutar por ele. Será que ainda consegues tu lutar? Será que não te entregaste ao refúgio do não sentir como forma de preservares um coração que sempre foi tão verdadeiro? O amor é mesmo assim, um poço sem fim, que um dia parece que conheces o seu fundo mas no dia seguinte nem sabes se ainda vais a meio do caminho, o amor torna-se aquele desconhecido que vamos vivendo, a cada dia que o sol brilha ou até mesmo nas noites frias de um Inverno presente. Saberás que as rosas são belas mas que têm os seus espinhos, que a chama brilha mas que acaba por queimar, que as lágrimas doem mas acaba por passar, que os sentimentos sentem-se mas também se podem dissipar, mas o amor, esse sente-se e por mais que o tempo passe ficará sempre o resto de um sentimento que num dia foi tão real no mundo, naquele mesmo que construímos à nossa maneira....




Gostava de poder sentir ainda o brilho que um dia tiveste para mim...

Comentários

  1. Depois disto o que dizer?! Fiquei sem palavras, o texto está brilhante. Parabens :)

    P.S.: São poucos os anos que carrego, mas uma coisa a vida já me ensinou: tudo tem um fim...mas o amor, esse é o unico que consegue ser eterno!

    ResponderEliminar
  2. porquê que este amor partiu, Pedacinhos? tem muita força. adorei, apesar de tudo

    ResponderEliminar
  3. E o que mais custa é mesmo recordar, sabendo que não mais voltará! Muito obrigada <3

    ResponderEliminar
  4. Êita! Isto aqui tem cara de prosa boa...
    Cheguei e vou permanecer. Te sigo!
    Passem em "Sinais de Mim" e participe da Área Vip! Lá tem um espaço reservado pra você, é só clicar em 'seguir'.
    Besos,
    TL. ^^

    http://www.sinaisdemimtl.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  5. "Saberás que as rosas são belas mas que têm os seus espinhos, que a chama brilha mas que acaba por queimar, que as lágrimas doem mas acaba por passar, que os sentimentos sentem-se mas também se podem dissipar, mas o amor, esse sente-se e por mais que o tempo passe ficará sempre o resto de um sentimento que num dia foi tão real no mundo, naquele mesmo que construímos à nossa maneira...."
    Tiro o meu chapéu, aplaudo de pé, rendo-me à tua escrita... faz de mim escravo das tuas palavras, pois que são belas como as estrelas e profundas como o mar! Obrigado, de verdade... sem palavras!

    ResponderEliminar
  6. « finalmente as músicas já não são as mesmas e as vozes confundem-se neste túnel que já apresenta um fim próximo (...) » um dia encontrarás o fim e, de facto, quanto tempo demorará não importa porque um dia o vais encontrar e aí, aí vais ser tão mas tão feliz :)
    uma salva de almas para ti, já estou como o silverlux @

    ResponderEliminar

Enviar um comentário