Intemporalidade de amar...

Sobre a lua daquela noite trocamos as palavras que hoje deito ao vento, o amor estava tão vivo e os olhos brilhavam num cintilar de dois corações que ali se amavam muito para além do mundo, muito para além da realidade de um presente. Era um sonho vivido, uma utopia alcançável em que conseguimos chegar com a luta dos dias frios e das noites quentes em que fomos conhecendo cada traço do que éramos, do que ainda somos. O teu sorriso espelhava-se na água reluzente daquele lago, daquele cantinho em que o nosso amor assumia a forma principal desta nossa história, deste nosso pedaço de nada que se torna o tudo em nós, o tudo que sempre pedimos para nos tornarmos felizes. As palavras ecoavam numa brisa fresca e sempre que existia um silêncio, esse mesmo era quebrado pelo pulsar do coração, pelas gargalhadas de uma brincadeira, de mais uma confissão. As mãos percorriam os nossos corpos, apertávamos um contra o outro, o teu cabelo passava-me pelo rosto e o teu perfume agarrava-se as minhas roupas, aquelas que ainda têm o teu cheiro. Vivíamos aquilo que jamais pensávamos em viver e hoje apenas ficam os laivos que a recordação permite trazer a este meu viver. Não lamento, nunca lamentei cada pormenor que tinha todo o sentido, cada segundo que era vivido de uma forma avassaladora entre as promessas rasgadas e os corações deslaçarados de quem dava tudo, de quem não pedia nada. Agora vejo a liberdade como a realidade mais vivida, aquela liberdade que não me arrasta pela maré mas que me possibilita ver que há sempre outros caminhos para além daqueles que vamos caminhando, que os sonhos têm a capacidade de ser mutáveis e que o amor se torna volátil na medida em que hoje vive-se e amanhã esquece-se. Não condeno o que sinto porque estaria a matar-me a mim, não condeno amar porque isso me torna humano e não simples fantoche, não arrependo-me do que sinto porque me mostra que estou vivo, não me esqueço de ti porque estaria a esquecer-me de tudo, não te procuro mais porque na realidade já nem sei onde te encontrar...




Comentários

  1. O quanto a vida se torna injusta !
    Mas temos de ir atrás daquilo que nos faz feliz, de aquilo que tem de ser nosso, daquilo que construímos, mas é tão complicado quando ainda não entendemos se é isso que é suposto fazer, que nos deixam fazer ... Se dependesse de nós próprios! Se dependesse da nossa vontade! íamos ser muito mais felizes (...)

    ResponderEliminar
  2. Sabes,é bom saber que lembras essas momentos de maneira positiva. É bom saber que te lembras de cada sensação e momento. Na minha opinião quando existe uma situação destas e a pessoa que está a sofrer pensa nos momentos passados com carinho e não com rancor,é meio caminho andado para levantar a cabeça e continuar com a sua vida.
    Claro que vão havendo altos e baixos,mas eu acredito que vais ser forte e ,aos poucos e poucos,vais conseguir superar isto.

    Beijinho* grande.

    p.s-muito obrigada pelo elogio do meu post,mas acredita que não está lá grande coisa!
    Os meus posts nem se comparam de longe aos teus! =)

    ResponderEliminar
  3. Olá André,

    Como vais, com este frio?
    Bom , vamos aquecer a alma com um chá para dois, e falarmos, desabafarmos sobre o teu texto.

    INTEMPORALIDADE DE AMAR - BELO TEMA PARA UMA DISSERTAÇÃO FILOSÓFICA.

    Mas, como, nem tu nem eu somos folósofos, vamos falar do concreto.

    O AMOR É INTEMPORAL, isto é, podemos amar em qualquer tempo, em qualquer idade e em qualquer local.

    O teu texto, hoje, está mais fresco, mais arejado, do que os anteriores. Quanto ao cheiro do perfume dela, pôe na lavandaria as roupas, que isso passa(sei, que estamos a falar metaforicamente).

    "HOJE-SE VIVE-SE E AMANHÃ ESQUECE-SE" é o lema do teu século, do teu tempo.
    És diferente? Tu, é que tens de te adaptar ao mundo e não o mundo a ti.
    Caso o não faças, falharárás no teu caminho, e, dificilmente, encontrás a felicidade e um novo rumo.

    Penso, que estás a fortalecer, de corpo e alma.
    Tens a minha mão, em forma de palavra, para te agarrares. Conta com ela!

    Beijinhos e abraços de luz.

    ResponderEliminar
  4. Muito obrigada <3
    Está sempre presente :')

    ResponderEliminar
  5. Tu já não sabes onde a encontrar, mas ela está bem presente no teu coração!
    E não te repreendes por a amar, mesmo que ela nunca tenha feito nada por o merecer ou que ela não queria o teu amor ou tenham sido as razões que fossem...
    Sabes o que te digo (e isto deves saber bem melhor que Eu..); se gostas de amar, então ama! Apenas não sofras com isso, vive cada sentimento de forma feliz, como transpareces neste post!
    Vive essa paixão e esse amor que está dentro de ti, mas sempre de forma positiva!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário