Caminhos...

Sentimos a falta de alguém. Sofremos em silêncio ou até mesmo rompemos o calar das palavras para soltar um grito estridente em que o coração já não consegue suportar o que a alma tenta esquecer com o passar dos dias e das horas de uma vida que faz das distâncias esquecimentos e das horas remédios para a dor de um amor perdido. Falam-se de pessoas mas vivemos de sentimentos e assim vamos caminhando acompanhados por aqueles que na verdade nunca nos largam as mãos, vamos traçando caminhos sempre protegidos por as pisadas de outras pessoas e pelos sorrisos que nos dão forças quando o mundo parece bem mais pesado. Somos assim nós, despidos de tudo mas entregues aqueles que de mais importantes são para nós, porque certamente não conseguiríamos viver sem eles e nem imaginaríamos como seria acordar e não os ter, não os sentir nem que fosse em simples aragens ou arrepios na pele. Hoje vejo o amor de outra forma, da forma de dar e receber, na forma de ganhar ou perder, uns lutam e outros abandonam o que de melhor há em si a capacidade de sonhar com o dia de amanhã e com a pessoa que certamente contribuirá para uma felicidade maior, aquele felicidade que primeiramente tem de ser construída penas por nós e somente por nós. Gostaria de acreditar que do meio deste silêncio sufocante ecoa-se as palavras de um sentimento inesquecível, de uma história que ainda nem conheceu o seu princípio. Sonho com o dia em que isto seja diferente porque mesmo através das adversidades da vida ainda não deixei de acreditar em mim, não deixei de acreditar em nós. Há pessoas que nos marcam, há outras que caminham connosco e no fim de tudo há sempre um alguém que gostaríamos de pegar na mão e traçar o nosso próprio destino, a nossa própria história de amor. Posso ser um sonhador mas desta forma ainda consigo ser feliz e não me entregar a uma vida de esquecimento e a um coração que não conhece mais o que é sentir...
Eu...
Tu...
Nós...
Por mais que o destino nos faça caminhar em direcções diferentes acabamos sempre por cruzar os nossos olhares, por tocar os nossos corações...

Comentários

  1. Muito agradecido pelo comentário :)


    «Porque certamente não conseguiríamos viver sem eles e nem imaginaríamos como seria acordar e não os ter, não os sentir nem que fosse em simples aragens ou arrepios na pele.» - Quantas vezes pedimos nós para que eles, malvados, desapareçam? E depois sentimos tanta a falta deles nos dias de mais vazio interior...

    Sabes, eu acredito no destino. Acredito que noutro lugar qualquer está uma pessoa a batalhar tanto quanto eu para nos encontrarmos um dia!

    ResponderEliminar
  2. muito, muito obrigada. agradeço-te do fundo do coração pelo teu comentário. fiquei muito feliz por teres gostado e teres percebido o sentimento que, como tu referiste, depositei na carta.
    Em relação ao teu texto, está lindo! Adorei, mesmo! Um beijinho (:

    ResponderEliminar

Enviar um comentário