Porque o sentir vai muito para além das palavras...

A cortina fecha e apenas ficamos nós desnudos de personagens e entregues a um guião ditado pelo coração, por aquele sentimento constrangedor que nos expõe ao mundo, desprovidos de armas e barreiras, entregas ao sonho de uma história real. Tu olhas e eu apenas me perco no teu olhar, as palavras falham mas os gestos apoderam-se daquele palco, o palco de uma vida em que apenas resta o amor e só aquele amor é capaz de nos alimentar, capaz de fazer de nós mais uma utopia alcançável, um real inabalável. As mãos começam a percorrer os traços de um rosto que os olhos sabem de cor, a pele macia escorrega-me por entre os dedos e os teus lábios apenas se fecham a um desconhecido que agora eu começo a desvendar. O som dos aplausos é substituído pelo simples toque e pelo bater do coração, as falas convertem-se em amor e as frases previamente decoradas perdem-se no tempo, no tempo em que nos amamos, naquele chão, naquelas tábuas de madeira que tão bem nos conhecem, que seguraram os nossos pés e os nosso corpos quando queríamos mostrar ao mundo um amor que nem era o nosso. Hoje sim, hoje apenas somos nós porque o resto desapareceu, deixamos de viver outros amores, de darmos vida a outras personagens, apenas somos aquilo que sempre fomos, duas almas que aprenderam a amar sem nunca nos terem ensinado, dois corpos que caminham em direcção a um final feliz em que o ficcionado passa a ser uma realidade, em que o sonho passa a ser uma constante. Falo porque sinto e se sinto é porque apenas existes não em histórias irreais mas sim numa realidade que tão bem conheço, que tanto anseio viver, por entre as cortinas deste teatro, por entre uma vida demarcada por derrotas e vitórias na busca de um desconhecido que parece tão familiar. As cortinas fecham mas o coração acaba por ser abrir naquilo que um dia tanto chamamos de paixão...

Comentários

  1. estava mesmo a precisar de ouvir palavras como as tuas * obrigada de coração

    ResponderEliminar
  2. Que bonito o teu comentário. Um grande obrigado palpitante deste peito salteador, tá?

    Wow, uma nota 10 para este teu lindo texto. Está repleto de carinho e romantismo. Depois da cortina se fechar, o coração começa a bater verdadeiramente por aquilo que chamamos vida, romance, felicidade, liberdade. Quando os aplausos do público é trocado pelo silêncio de dois corpos sabe sempre tudo de uma forma tão mais real... mas bem: eu adorei o texto. Está absolutamente fantástico! Parabéns!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário