Um tudo no meio do nada...

Procuro em ti apenas palavras, procuro no teu corpo o amor que me escorreu por entre as mãos num dia em que nem sabia que tinha forças, procuro em ti tudo aquilo que sei que tu tens dentro do teu ser, mesmo amarrada a um passado, mesmo esquecida do que é sentir. Os espinhos começam a cair e finalmente consigo ver que jamais se perde algo quando esse mesmo algo nunca chega a ser nosso, que se esquece alguma recordação quando afinal não há nada para recordar, que se sofre quando no fim de contas esse sofrimento desfaz-se em nada no meio de novos capítulos de uma história, no contributo destes para um final feliz. Hoje apenas suspiro como há algum tempo não o fazia, saio do sufoco de uma água que me cobria os olhos e sacudo o pó que estava no meu coração. Sei que o tempo passou e que mais vale perder tempo construindo um futuro do que perder tempo na busca de um tempo que acabou perdido, esquecido, agarrado a recordações e nada mãos do que isso mesmo. Os sons empurram-me e as músicas arrastam-me por películas de um filme chamado vida, por cenas em que apenas alguns personagens mantêm o seu papel, o seu lugar no meu coração, na minha forma de ver e encarar cada sentimento e cada vontade que se torna maior sempre que tenho a certeza que este é o caminho certo. Pensei que conhecia cada pedaço do que era amar, cada recanto daquele sentimento que um dia quase perdi mas que consegui segurar dentre dos meus sonhos, pensei que saberia que o verdadeiro seria o mais real mas o tempo mostrou-me o contrário, e as pessoas mostraram que nem sempre o amor é algo natural mas sim um sentimento construído sobre as farsas de um pedido, sobre as vontades de um favor. Quero pensar que és diferente, porque no final de contas o meu coração não iria bater por um igual, um igual que eu tanto tento afastar pela ausência de um individual que se torna uma mistura de tudo que origina um nada, um nada que toda a gente quer. Escrevo as palavras porque afinal são elas que me dizem o que vai na alma…

Comentários

  1. Obrigada por todas as palavras,mais uma vez (:

    "Os espinhos começam a cair e finalmente consigo ver que jamais se perde algo quando esse mesmo algo nunca chega a ser nosso, que se esquece alguma recordação quando afinal não há nada para recordar, que se sofre quando no fim de contas esse sofrimento desfaz-se em nada no meio de novos capítulos de uma história, no contributo destes para um final feliz. " é mesmo assim a vida. todos os capítulos são meios para crescer e aprender novas lições de vida. Tudo isto nos nos levam ao final feliz. adorei, como sempre!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário