Suspiro...

Sinto o sangue a correr-me por entre as veias de um corpo que agora começa a sentir de novo a vida, aquela vida adormecida, parada num tempo em que apenas as horas existiam em simples formas de um trabalho árduo pela busca de uma felicidade imaginada. Hoje apenas não é assim, os caminhos começam a ser traçados de forma completamente oposta, de forma em que o coração apenas escreve aquilo que sente e não o que uma memória guardou, tornando assim tudo um pouco mais verdadeiro, surpreendente e continuamente desconhecido o que acaba por dar uma força sempre que se sonha e procura-se realizar esse mesmo sonhar. O amor apenas se torna o pano de fundo, aquele sentimento ao qual estamos inerentemente agarrados, juntos em simples formas de viver, em simples vontades de no final conseguirmos ser felizes, tão felizes como aquelas histórias que nos contavam sempre que íamos para a cama. Ainda acredito em tais histórias, aquelas que me enchiam o imaginário e que tornaram possível esta minha forma de amar, esta simples forma de ser em que os sentimentos me guiam e as emoções me prendem, me agarram num mundo mais vivido por pessoas do que robôs que apenas repetem gestos mas nunca os acabam por sentir. Utopias desaparecem num horizonte, agora apenas sorriu, porque sei que amanhã certamente será diferente, que afinal os amores não são tão fáceis de viver mas tão impossíveis de se realizarem também. O que é nosso acaba por invadir a nossa vida, o nosso pequeno mundo, o nosso imaginário de sonhos e o que apenas se torna algo independente do nosso destino acaba por partir, quando menos se espera, de uma forma rápida deixando uma falta de memória em nós e um esquecimento no nosso coração. dizem que há dias em que tudo muda, em que a vida se altera, em que os sonhos acabam descobertos e vividos é precisamente nesses dias que escrevo, é nesses pequenos momentos que contemplo uma vida, um sentir, diferente, mas meu o que me torna individual tanto no sentir como na forma de amar. A diferença acaba assim por ser mais um dom, mais um pequeno pormenor, que acaba por fazer toda a diferença, que acaba por ditar quem no fim de contas vive a vida por amor e quem vive por uma insaciável necessidade de ser quem não é...

Comentários

  1. Espero bem que assim seja! Obrigada pela força.
    " O que é nosso acaba por invadir a nossa vida, o nosso pequeno mundo, o nosso imaginário de sonhos e o que apenas se torna algo independente do nosso destino acaba por partir, quando menos se espera, de uma forma rápida deixando uma falta de memória em nós e um esquecimento no nosso coração. " está lindoooooooooooooooooooooooooooooooooooooo!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário