Querer incondicional...

Somos nós, apenas nós e mais ninguém, lutamos pela felicidade, agarramo-nos a um amor desconhecido, vivemos de sentimentos e até por vezes esquecemos o coração ignorando tudo o que ele nos diz, tudo o que ele nos dá. Queremos apenas mais, somos insaciáveis, não vemos o que temos e queremos sempre aquilo que não possuímos, é a natureza humana, é a nossa própria natureza. Desprendemo-nos do que não nos faz felizes, esquecemos os episódios de um filme que nem queremos recordar, fugimos do medo e desistimos muitas vezes do difícil quando esse difícil afinal é o mais verdadeiro, o mais compensador de uma luta que tem por nome vida. Ficamos felizes com sorrisos, ficamos despedaçados por dentro quando vemos casos infelizes de vidas em que acabamos por espelhar as nossas, que acabamos por viver nem que seja por pequenos instantes em que tentamos nos colocar no papel daquelas pessoas, na dor que elas estão a sentir. Somos apenas humanos e vivemos com o coração, aquele músculo coberto de carne, que sente, que cola retalhos de uma vida, imagens de uma película que se torna a história de uma pessoa que nasceu e que trilhou os seus próprios caminhos, caminhos certos, incertos, lutados ou até mesmo dados de oferta quando a vontade se torna pequena e o corpo não reage a um estímulo que nos pede para ser feliz. Falo amor, escrevo apenas deste sentimento que afinal de contas é bem mais do que um simples nome, bem mais do que uma simples atracção entre dois corpos desnudos de tudo, agarrados a um fado que pede desejos, que retrata saudades. Agarramos as mãos para sentir aquela protecção que por vezes falta, espelhamos olhares sempre que a nossa alma grita lá do fundo o quão queremos ser felizes, o quão queremos construir sonhos sobre bases firmes e alicerces que mantenham todo esse edifício intacto por muitos e muitos anos, pedimos de mais e ganhamos de menos, pedimos pouco e apenas nos surpreendemos com tudo o que vem a seguir, tudo o que acabamos por não pedir mas que a vida nos dá, por gestos de bondade, por ironias do destino. Há quem viva e reviva toda uma vida, há quem coloque um ponto final e comece tudo de novo, há quem não avance, há quem prefira construir todo um cenário mesmo que esse não corresponda à realidade e por último há quem lute e continue a lutar por o amor da sua vida, pela pessoa que afinal chegou e entrou pelo coração a dentro ocupando o lugar de destaque, fazendo dela o mundo que antes era de um mas agora de dois...
'O meu destino é ir, sem saber o motivo, e ficar, sem motivo ter'

Comentários

  1. Belo texto e tens bastante razão no que dizes. Se bem que nunca podemos esquecer ou ignorar o que nos é dito pelo coração.
    Abraço.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário