Instantes de um desejo...

Por breves instantes deste meu desassossego permanente vejo o amor em dias perdido, vejo aquelas palavras que me levam a ti, ao refúgio do teu coração, ao aconchego da minha alma. Longe vai os momentos de indecisão, os períodos de uma inconstância característica de quem não conseguiu controlar todo o sentimento que o coração despertou, que criou nos dias em que tudo pareceu mais um sonho, um simples sonho de quem nunca se esqueceu porque nasceu, qual o fim que gostava de ter na sua história. Agora pedia que o tempo voltasse atrás, que os amores permanecessem, impávidos e serenos, no tempo, naqueles períodos de esquecimento em que a minha vontade apenas era te agarrar, agarrar o teu coração, fazer-te feliz como nunca ninguém te fez. Apenas a cobardia me fez fugir, apenas o medo de ferir de novo este meu coração me fez fugir, sem olhar para trás, sem dar de novo uma oportunidade a mim mesmo de construir algo que um dia acabou derrubado por um mistério que até hoje não consigo desvendar, não consigo perceber. Foram aqueles dias que hoje ainda mantêm vivo o meu coração, são aqueles sabores que hoje me levam a ti, aquela memória que me agarra, que me prende, que me aprisiona em simples recantos de um filme que nem era para ser o meu. Os olhos, apenas aquele olhar mostra o que sempre acabou calado, apenas a música ainda tem o dom de me fazer recordar de ti mesmo que isso me custe, mesmo que isso ainda acabe abrindo mais uma cicatriz no meu coração, mais um retalho na minha alma que agora apenas parece mais um puzzle inacabado, mais um filme sem um final visível. Há quem queira tudo, há quem apenas procure um amor verdadeiro, nada é dado como certo, nada é mais uma facilidade, vive-se de lutar, de perder, de ganhar, de fugir ou apenas de ficar, mas no final de contas todos nós procuramos a nossa própria felicidade e disso não tenho dúvidas...

Comentários

  1. É óptimo receber palavras assim, que nos confortam imenso. Obrigada!

    BELA ESCRITA

    ResponderEliminar

Enviar um comentário