Viver por aquilo que se acredita...

Percorria assim, andava por caminhos que nem sabia bem quais, tão distante, tão esquecido daquilo que era o amor, vivia o passado, sorria pelo um futuro e esquecia-me de mim, do meu coração que estava encaixotado, tapado por tralhas de uma vida, pelo pó de um esquecimentos que teimava em permanecer em cada dia, em cada noite desprovida de sonhos, desprovida de cor. Surgiu assim o primeiro raio de luz, aquele que sorrateiramente me chegou ao coração, me aqueceu a alma, me fez vasculhar todas as tralhas e finalmente voltar a colocar o coração no lugar dele, ou seja, no meu corpo, entregue à minha alma, vivendo os meus sonhos. As minhas mãos apenas pedem aquele mundo que um dia foi meu, o meu ser procura o teu incessantemente, em cada música, em cada pequena fracção de um tempo e de uma distância que parece querer acabar com toda esta magia que um dia o destino me trouxe, que um dia o destino nos trouxe. Palavras, estas palavras espelham aquilo que sou, um desconhecido no meio de sentimentos que me arrastam, de pessoas que se cruzam no meu mundo, de um amor tão forte e arrebatador que nem eu próprio o consigo descrever mas apenas sentir, apenas saborear em cada instante, em cada minuto em que é vivido, em que é reinventado. São assim as imagens que invadem cada sono, são as vontades que aparecem em cada dia tornando-se maiores, vivendo e crescendo entre a certeza de um amor e a incerteza de um arriscar, de um ferir e magoar, de um partir e esquecer. Quero, apenas sei que quero viver este amor, não me interessa onde, quando e porquê, mas quero-o viver nem que seja em pequenos instantes de uma verdade do que em grandes períodos de um inconstância e engano que de nada valem, que de nada correspondem ao amor que ainda vou acreditando que exista mesmo que o mundo me tente mostrar o contrário. Sou fiel ao que sempre sonhei, sou fiel a este coração que ainda bate dentro do meu corpo e não se tornou uma rocha firme que apenas vive por viver e entrega-se a um prazer que ele próprio é despido de sentimentos, esquecido de objectivos de ser feliz. Sei certamente que o tempo pode mostrar tudo, que a vida se torna surpreendente sempre que se luta, sempre que nunca desistimos de uma felicidade que tanto queremos, que tanto vamos construindo em cada passo, em cada sina que se cumpre. Se tudo o que sonhei foi mais uma realidade que vivi nas noites em que o meu corpo permaneceu deitado naquela cama, coberto por aqueles lençóis, então invade-me assim da tua presença porque a saudade torna-se menor e o coração bate mais forte para te ter, luta mais compassadamente para te amar...

Comentários

  1. Obrigado! eu nao vou desistir, pelo menos vamos lá ver se desta vez da para passar... Senao para o ano toca a repetir. É assim a vida!

    ResponderEliminar
  2. «Quero, apenas sei que quero viver este amor, não me interessa onde, quando e porquê, mas quero-o viver nem que seja em pequenos instantes de uma verdade do que em grandes períodos de um inconstância e engano que de nada valem, que de nada correspondem ao amor que ainda vou acreditando que exista mesmo que o mundo me tente mostrar o contrário.» - Que sentimentos lindos partilhaste aqui. Muito obrigado pela linda partilha de palavras!
    Um abraço.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário