Suave e real, verdadeira e sentida...

Sorri, apenas sorri quando despertei daquele sonho, daquele pequeno pedaço de uma realidade ali vivida, ali sentida, com todas as forças, com toda a paixão de um coração que luta e bate por ti, por um segundo do que é amar-te, por um instante do que é sentir-te para além da distância real, do medo de te perder. Os dias são passados com a recordação, com as fotografias que me tiram o sufoco de saber que um dia não soube lutar por ti como tinha de ser feito, que preferi virar as costas numa atitude cobarde que eu próprio desconheço em mim, desconheço na minha forma tão simples e tão verdadeira de sonhar. Estás aí e eu aqui estou, agarrado a ti e tu agarrada a algo que no final de contas se torna um nada, se torna um tempo expirado, fora de ti, fora de tudo aquilo que escreves, que sentes, que queres para a tua vida que acredito que se coaduna bastante com a minha. Sonha, apenas sonha mais uma noite, no sonho encontramo-nos nem que sejam em simples e suaves toques um no outro, pele com pele, coração com coração. Entrelaça as tuas mãos no meu sentir, cria em ti coragem, cria em ti a força que não te faz cair mesmo antes de correr, que não te faz parar mesmo antes de saltares o abismo que sempre olhaste mas que acabou por faltar a coragem, em que o medo tornou-se mais forte do que aqueles sonhos que sempre tiveste. Sou assim alma despida, pedaço de tudo o que pode ser real, uma mão cheia de tudo e um coração que apenas está vazio, falta-me tudo, faltas-me tu naquele lugar que sempre devias ter ocupado, que deverias ter entrado e permanecido, para além da distância, imune ao tempo. Mais do que se ter algo é sentir que algo se torna nosso, não por o que fazemos mas sim pelo mundo que podemos oferecer à outra pessoa, aquela que entra nos nossos contos de criança, nos nossos sonhos mais consolidados, mais sentidos. Vive-se assim entre a incerteza de uma palavra proferida ou até mesmo entre o arrependimento de uma decisão que se revelou errada, que acabou por deitar fora tudo o que poderia ser construído. Mais do que viver é saber faze-lo, mais do que arrepender de algo que nunca se fez é levantar-nos e lutar para fazer do futuro tudo aquilo que se ambiciona no presente. Saber amar é uma virtude, saber amar-te é um dom...

Comentários

  1. Há que saber viver o presente consoante queremos que o futuro sonhado seja. Abraço.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário