Estradas de tempo...

O princípio de um novo início, um sorriso depois da despedida, um olhar depois do engano dos teus olhos. Diferente, bem diferente e assim vou sentindo a diferença naquilo que agora vejo que se torna outra forma de vida, outra forma de pegar no que temos e fazer pequenos castelos que se tornam fortes e que com o tempo se vão desenvolvendo e crescendo tanto em sentimentos como em laços que se tornam apertados, firmes. Passado, palavra assim dita e assim sentida por mim sempre que vejo que tudo não passa disso mesmo, de recordações distorcidas e de palavras caladas que apenas fizeram do tempo simples segundos de um filme que ainda agora começou, que agora começa a se desenrolar entre ruas estreitas e pessoas reais. Sentimento, saberás tu sentir? Certamente saberás mas a tua simples inocência faz de ti uma pessoa solta, largada num mundo em que apenas todos te tentam pegar e em que tu acabas por fugir, não sei se por instinto ou se apenas por aquilo que eu mais valorizo em ti, a luta por um final feliz, a luta por um amor verdadeiro. Tão iguais e tão diferentes, tão simples e tão complicados, tão sentimentais e ao mesmo tempo tão distraídos, assim somos nós, assim nos vamos formando, assim nos vamos baralhando entre o que verdadeiramente queremos e o que temos receio de viver. Se houvesse um milhão de pessoas, se houvesse um milhão de sentimentos, se houvesse um milhão de locais, escolhia o amor, escolhia a “nossa" terra e certamente escolheria sempre mas sempre a ti, não por o que mostras mas sim por o que sabes sentir...

Comentários