Amor sentido...

Das mãos escorre aquele amor que por nós lutou, pelos olhos caiem as primeiras lágrimas de uma saudade incontrolável, indomável de um ser que sente com todas as suas forças, que vive apenas para o amor, para o que ele dá, para o que ele representa num simples beijo, num simples e terno abraço de duas almas que ainda sabem sonhar. Fracos são os pedaços que vão caindo na terra, naquela terra arenosa em que a água teima em faltar, em que os sorrisos ficam contidos para um encontro que não chega, para mais uma etapa que nem sabemos por onde começar, não sabemos por onde agarrar. Nas minhas mãos resta-me a falta das tuas e no meu olhar apenas surge mais uma recordação de todo aquele passado que ficou marcada pela partida, pela fuga de dois corações que afinal tanto se querem, tanto se lembram. A recordação começa por invadir cada momento de solidão e o sair torna-se a melhor opção, o esquecer torna-se o melhor refúgio e o chorar o melhor remédio para uma alma dorida, para uma alma que apenas não consegue amar de outra forma. Tudo se torna mais um desfocado, mais uma peça de um puzzle incompleto, um puzzle em que o amor esqueceu-se das pessoas e que as pessoas aprenderam a sobreviver sem esse mesmo amor, sem esse sentir característico daqueles que nasceram para sonhar e não para apenas saborear uma vida vazia de tudo, repleta de nada. A partida foi marcada pelo que um coração não conseguiu entender, por o que uma vida mostrou o contrário mas mesmo assim restou sempre aquele pequeno brilho, aquele pequeno sentimento que despontou a paixão, que levou à recordação que permanece ancorada a este coração, a este meu ser que apenas sabe que um dia tudo irá ser merecido, tudo irá ser vivido. Mais do que a luta que surge em cada dia é aquela força que nasce em nós e que move mundos, que destrói barreiras, que amarra os corações, mais do que eu somos nós, mais do que nós é o amor que nos une. Se um dia aprendi que a minha vida era repleta de amor, esse dia foi quando aprendi a amar e não apenas a viver mais um história representada e não sentida...

Comentários

  1. Sim tens toda a razão, o mais difícil por vezes é conhecer-mo-nos a nós próprios... obrigada :)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário