Partidas e chegadas...

Agarras-me o destino e eu apenas te peço para respirar, sufocas o meu coração mas ele continua a bater porque a vontade de continuar é bem maior do que a força que tens nas mãos. Solta-se assim a primeira de muitas partidas, o virar de costas a tudo o que é conhecido e os primeiros passos num desconhecido começam a ser dados, lentamente, com algum receio, mas começam a ser dados. Sorris assim naquela de muitas histórias que já viveste, eu apenas fico feliz porque sei que não será um adeus mas sim um até já, marcado pela luta e pela vontade enorme de sermos felizes. Nem sempre podemos escolher como vivemos o dia de amanhã, pode-se fazer planos mas o que nos diz que esses mesmos planos se irão realizar? Vivemos numa inconstância, num ter e não ter, numa única palavra tudo se resume à incerteza. Sei o que quero e por isso acabo por tentar viver os sonhos nem que sejam em pequenas partes, em pequenas vitórias em simples sorrisos e especialmente em sentidos abraços. Hoje serei eu a escrever o meu destino mas amanhã como será? Não sei e é essa sede de saber que me leva a ti e aquilo que sempre soube que não seria mais uma brincadeira de crianças...

Comentários

Enviar um comentário