Quero-te...

Seguraste-me na mão e eu agarrei a tua, caminhamos descalços pela fina areia em direcção ao pôr-do-sol, o teu sorriso envergonhado mostrou-me que tudo aquilo era verdadeiro e ambos encostamo-nos um ao outro. Os teus cabelos batiam-me no rosto pela fraca brisa que se fazia sentir, as tuas mãos estavam quentes e isso aquecia o meu coração. Sorrimos recordando tempos passados, o teu olhar estava brilhante e ali ficamos até a noite cair entre o barulho das ondas e aquela vista maravilhosa. A noite chegou e colocamos aquela manta que tínhamos trazido de casa, ainda te lembras? Ficamos assim a desfrutar de uma noite fresca de Verão e daquelas iguarias que tínhamos feito a pensar num dia que seria só nosso, numa noite especial. Ali ficamos entre um copo de vinho tinto e uma música suave que saia dos nossos corações. O teu sorriso encantava-me e a tua forma doce e ao mesmo tempo tão simples de falar prendia-me a visão e impediam que olhasse noutras direcções a não ser a tua. A areia serviu de palco de algo que era só nosso, de algo que surgia da paixão de ambos e de uma vontade enorme de saciarmos o desejo e de entregarmos os nossos corpos um ao outro, senti-te como és, com cada forma do teu corpo, com cada expressão do teu desejo, eu apenas te dei tudo de mim, transmiti aquilo que sentia e tu certamente recebeste aquela forma de desejo que te dei, deitados na areia fria os nossos corpos arrefeciam a temperatura de uma bonita noite de paixão, de uma página da nossa história de amor. Vimos o nascer do sol juntos e naquela altura fizemos promessas que o repetiríamos para toda a vida. Pegaste-me na mão e eu voltei a te aquecer com o meu corpo, com o meu coração...

Comentários

Enviar um comentário