Palavras de um amor...

Soltas-te o cabelo e eu balancei sobre os teus caracóis, correste e o teu perfume ficou em mim, em cada pedaço da minha pele, em cada peça de roupa que vestia naquele dia. O campo estava perante os meus olhos e a tua imagem prendia o meu olhar, aquele simples olhar que transmite tudo, cada frustração, cada palavra de amor, cada sentimento rasgado entre o saber que quero e o medo de falhar. Molhaste os pés naquele riacho tão vivo, tão forte como a nosso paixão, baloiçaste-te naquele nosso baloiço feito pelas nossas mãos e que tantos sonhos e projectos tinha sobre ele, abraçaste-te e ambos rimos sobre as flores e o verde de uma primavera que parecia diferente de todas as outras, da primeira primavera que ambos tínhamos um ao outro, despidos de papéis e apenas movidos ao sentimento que nos unia, aquele sentimento que chamava-mos amor. Partiste e assim deixaste em mim o vazio que nada mais preencheu, preferiste abandonar a realidade e entregares-te a uma vida que não foi repleta de vitórias como tanto esperavas, partiste e esqueceste-te do amor para trás. Saberás agora certamente que sem amor não se consegue ser feliz, que podes viver, conseguir aquilo que queres, mas do que serve? A felicidade apenas te dura simples instantes, apenas se torna uma felicidade efémera que acaba sempre que chegas a casa e encontras um vazio, uma sala sem vida, um quarto sem paixão, uma noite sem desejo. Ainda lês certamente as enumeras cartas que te escrevia, ainda sentirás o cheiro do perfume que ficava em cada uma delas, aquele perfume que tu tanto adoravas e que pedias para colocar sempre mais e mais para que nunca te esquecesses daqueles momentos, daqueles nosso momentos. Será que ainda choras? Será que ainda recordas com saudade tudo aquilo que construímos juntos? Certamente sentirás o mesmo que eu, certamente ainda olhas o passado e tens medo de avançar para o futuro, certamente estás tão presa como eu estou, a uma recordação, a um tempo, a um desejo, a um sentimento, tão presos estamos que não nos conseguimos libertar, tão presos que estamos que parece que esquecemos o que é amar, tão presos que estamos que ainda vemos a imagem de ambos espelhados em qualquer coisa que fazemos, em qualquer música que ouvimos. Recordo sorrisos, vivo de momentos mas nunca me esqueço de sentimentos e o nosso é e sempre será inesquecível...

Comentários

  1. Eu sei que ainda estou presa ao passado..
    Ele? Ele tenho a certeza que não...

    Gostei muito deste teu cantinho.. Vou voltar com toda a certeza! beijos *

    ResponderEliminar
  2. Obrigado :p
    Toda a gente acaba por se prender um pouco ao passado, há uns que conseguem libertar amarras e sair e outros que demoram mais tempo mas que no final também o conseguem fazer. Há diferenças mas tudo depende do sentimento que depositamos em algo e na força que ele tem ainda nos nossos dias... xD

    ResponderEliminar

Enviar um comentário