Por vezes o mais certo é parar e voltar a repensar antes de se avançar para algo que no final não queremos...

Sempre me ensinaram a caminhar em busca de algo, sempre me ensinaram a não ter medo de arriscar, pois se na vida isso não existir ela acaba por não ter qualquer sentido. Antes o meu coração não o permitia, a consciência era mais forte que qualquer forma de me libertar e de atirar do precipício mesmo sem um pára-quedas que me amparasse a queda e me enchesse de coragem para saltar sem olhar para trás, para saltar sem medo. Agora não, sinto que agora é diferente, tudo mudou, a minha forma de pensar, a minha forma de ser, a minha forma de amar, a minha forma de amizade e aquilo que ontem para mim era um medo tremendo de arriscar agora é a minha maior vontade o meu maior desejo. Dou por mim a pensar o tempo que vivi escondido atrás de sombras, atrás de pessoas ou até mesmo atrás dos meus próprios medos que me impediram de ser eu, de me dar a conhecer, de construir algo verdadeiro ou até mesmo de saber demonstrar tudo aquilo que estava dentro do meu coração e que jamais o disse com receio de me magoar e com receio de acabar por cair desamparado sem qualquer tábua de salvação. Sei que tudo mudou e isso de uma forma ou de outra torna-me mais forte, mas decidido e com um medo muito menos de viver esta nossa vida repleta de encontros e desencontros, de histórias com final feliz, de histórias acabadas a meio e até mesmo de histórias que nem chegaram a existir por medo de ambas as partes ou então por uma falta de sentimento que se pensava existir. Defendo que sem sentimento jamais conseguiremos construir uma relação, acredito que sem sentimento não conseguimos ser felizes, amar e ser amados e sobretudo deitar na cama e invés de nos sentirmos felizes acabamos por nos culpar de viver assim. Eu nem coloco no meu pensar viver assim, não consigo construir histórias em cima de falta de sentimento, não consigo avançar e estando o meu coração a pedir o contrário, ou seja, não consigo não ser eu e não me consigo enganar e muito menos enganar outra pessoa que no fim de contas não tem culpa do que sentimos e do que queremos viver. Mais vale acabarmos por sermos felizes a nossa maneira, sem grandes preocupações, sem pensar tanto no amanhã mas sim no hoje, porque mais dia ou menos dia acaba por aparecer na nossa vida a “tal pessoa” e aí sim, não tentamos construir sentimentos forçados, mas sim acabamos por viver uma história verdadeira. Sou apologista da ideia que mais vale esperar pela certa do que me iludir com a errada e disso faço a minha filosofia de vida e é assim que quero continuar pelo resto da minha vida, fiel a mim e acima de tudo fiel aos meus próprios sentimentos...

Comentários