Sinto a tua falta...

Sinto as minhas mãos cansadas... o meu corpo pede por ti,
Numa saudade que se abraça ao meu peito. A tudo... o que sei amar.
Não demores! Não demores em chegar a este meu caminho,
Envolto em sonhos e em promessas - que só a ti sei fazer,
Em juras de amar-te... até ao ultimo dia dos meus suspiros.
Sinto o meu coração fraco... os batimentos esbatem-se na tua falta,
Nas palavras que escrevo a um sentimento que não consigo negar,
A um querer que não morre na distância (a que te sinto de mim).
Devolve-me a vida! Devolve-me o sorriso que foi contigo,
No dia em que embarcaste rumo à terra dos meus sonhos,
Rumo a um caminho que sei que é meu - mas que não consigo alcançar.
Hoje... sinto o vazio de não poder ser mais do que aquilo que sou,
Do que esta paixão que faz parte de mim. Desta minha carne. 
Deste meu sangue!
Sinto que não consigo mais esperar... não consigo mais enganar-me...
Pensando que te vou ter nos meus braços, no dia seguinte.
Sinto as minhas mãos cansadas. O meu corpo cansado.
O meu destino... adiado.
Só espero que me consigas esperar, que esperes pelo meu amor,
Por tudo o que sinto e por tudo o que te dou,
Sempre que sou eu, sempre que sou teu - sem qualquer pudor.
Só te posso oferecer amor, mas aquele amor que só eu sei sentir,
Mesmo que te veja partir, mesmo que eu tenha que ir.
Sinto a tua falta, meu amor...
Sinto a tua falta.


Comentários