"Foi no tempo..."

Foi no tempo... no fragmento de tudo aquilo que somos,
Que descobri viver-te no meu peito - num coração que se enche de sonhos.
Foram as horas... aquelas em que a saudade me aperta,
Em que tudo em mim desperta...
Que fui teu - desde o primeiro dia da minha vida.

Foi o tempo... que arrastou o meu corpo na corrente de mim mesmo,
Nos desejos em que - no silêncio - pedia a tua chegada,
Sem conhecer o rosto que firmava,
Sem conhecer o traço... que te esculpia.

Foi o tempo... aquele em que tantas vezes errei, 
Em que fracassei no que sonhava - no que queria,
Que me revelou em certo dia... que eras tu quem eu esperava.

Foi o tempo...
Ou somente o utopia que se desvendou na realidade,
Que fez de mim quem sou, que fez de nós metade,
De um tanto que vivemos... agarrado ao nosso peito
(em desejos calados - confessados: ao nosso olhar).

E foi esse tempo... e somente esse tempo,
Que me ensinou a amar-te, que fez de nós arte,
Aquela que perdura na eternidade de tudo o que um dia passamos a ser...

Unos amantes... cravados a amor.




Comentários

  1. André, você é um fenómeno da poesia!

    Emoção pura!

    Parabéns,
    tenha uma óptima semana!
    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Muito mas muito obrigado por todas as palavras e apoio.

    Um abraço e votos de uma semana em grande. :)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário