"Amo-te"

Amo-te...
E amar-te será pouco,
Para esboçar tudo o que sinto,
Tudo aquilo que sou - contigo no meu peito.
Amo-te...
E talvez eu saiba que este amor seja eterno,
Imortal como a utopia que tantos falam,
E que eu conheço. E que eu alcanço... 
Ao amar-te.

Amo-te... 
E não é amor que sinto,
Porque amar pouco é,
Amar pouco sente e eu...
Eu sinto tanto em mim.

Amo-te...
E este amor não encontrará fim.
Porque seremos sempre o princípio.
O fulgor. O desejo. O esplendor.
(de tudo o que um dia... passamos a ser: juntos).

Amar-te é não ter dor...
E sentir a dor ao mesmo tempo.
A dor de amar sem ser amor,
De querer sem ser amor,
De amar-te sabendo que não é amor.

Porque...
Amor pouco é
Para este tanto que tenho dentro de mim...
Ao amar-te.



Comentários

  1. André é uma emoção ler os seus poemas, ver as fotos que os emolduram e as musicas que lhes dão asas!

    Obrigada,
    Boa semana.
    Abraço :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado por todo o apoio e pelas palavras.

      Um abraço e boa semana :)

      Eliminar

Enviar um comentário