"Sou o homem imperfeito que te ama"

Desvenda-me o olhar que te confessa sôfrego amor,
Aquele afecto que nutro em silêncio – no atrupido do meu amar.
Desnuda-me de vocábulos, abraça-me em semblantes,
Naqueles em que faço de ti o meu futuro
(a eternidade existente da imortalidade do meu sentir).

Beija-me, apenas…
Nada mais te peço a não ser a tua presença, o teu corpo,
Envolto na minha pele – no meu âmago tão intempestivo.
Desvenda-me em poesias, em frases escritas,
Narradas e trovadas: no enigma que te conto
(ao ouvido para que sintas o folegar… deste meu amor).

Desvenda-me em gritos mudos, em olhares confessos,
Em que confesso tudo o que sou – todas as falhas que me revestem.
E… não vejas em mim perfeição, sou um homem imperfeito,
Que mesmo no inacabado do seu ser,
Ama-te como nunca amou ninguém…




Comentários

  1. Perfeito neste cantinho são os poemas! ... Nada más importa!

    Adorei.

    Uma óptima noite.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado pelas suas palavras.

      Um abraço e boa noite :)

      Eliminar
  2. Adorei! Fantásticas palavras, com tanto poder e sentimento!
    Parabéns

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado pelas suas palavras Alice.

      Um abraço e bom dia :)

      Eliminar

Enviar um comentário