"Partam-me os ossos"

Partam-me os ossos cravando a minha pele de sangue, de robustos tropeços,
Em que me desabo no chão – revoltando a minha alma em escaras.
Rompam-me o peito, sacudam o meu coração pelas ruas, pelas pedras sujas da calçada,
Deixando o meu ser moribundo - entregue ao destino que me acolhe em promessas.
Rasguem-me o âmago, revoltando as minhas entranhas,
Desnudando a minha alma em misericordiosos olhares que acenam, em desdém.
Ceguem-me e calem-me, abafem-me no meio das vozes semelhantes,
Que apregoam interesses - esquecendo que amar é o verdadeiro sentido da vida.
Matem-me em pedaços, retalhando as minhas convicções (em tudo o que ACREDITO!),
Digam-me que sonhar é um mito e deixem-me adormecer… do mundo.
Declarem-me como louco, como um rabiscador de palavras sem sentido,
De poesias fantasiosas que não sabem o que é a realidade de viver (de viver em engano).
Dispam-me e depois esqueçam-me, deslembrem-se de tudo o que escrevi,
De tudo o que um dia defendi… do amor que sinto vorazmente em mim…



Comentários

  1. Arrepiada!!! Adoro suas publicações.....Vc. realmente eh 'perfeito'....Grata"

    ResponderEliminar
  2. André, estou encantada com as tuas palavras!!
    Fiquei aqui em silêncio deixando o teu versar falar por mim.
    A derme arrepia e o coração pulsa poesia!!!!!
    Lindo demais!!!!!

    beijos!!

    Aguardo tua visita!!

    ResponderEliminar
  3. Perfeito... perfeito...

    "Amar é o verdadeiro sentido da vida"

    Impossível deslembrar, meu caro rabiscador de palavras COM sentido!

    Uma boa noite.
    Abraço :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado por todas as suas palavras.

      Votos de uma boa noite.

      Abraço :)

      Eliminar

Enviar um comentário