"Não vás... por aí"

Não vás... por aí. Por essas ruas em que não tateio o teu ser.
Em que não pressinto o bater do teu coração: alado ao meu.
Embala-te nos braços deste homem que é teu (sem qualquer temor...),
Envoltos em acto de amor (como aquele em que me perco em ti...).
Ficaremos entregues à ausência de um fim - à pura eternidade manifesta no olhar.
Naquele em que vejo o meu corpo dissipar (ressurgindo, tardiamente, em nós...).

Estaremos, então, sós. Revoltos em tempestades sentimentais,
Em desejos carnais - saciados numa cama, acalentada pela pele,
Despida de fel. Entregue à paixão avassaladora dos nossos corações,
Unos, em segredos confessados.

Não ambules por aí. Subsiste neste peito exposto, em paixão ardente.
Neste amor decomposto em chamados, em vigorosas ansiedades - de te ter…
Nos meus sonhos tão sonhados, em destinos cruzados,
Que nos volvem… 

Num só ser...
Num só amor…



Comentários

  1. Um dos momentos mais prazerosos do dia, é quando leio os seus magníficos desabafos!

    Obrigada.
    Boa noite

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mais uma vez agradeço toda a simpatia.

      Votos de uma boa noite :)

      Eliminar
  2. Num só de dois corpos em devaneios...

    ResponderEliminar
  3. Lindo, Lindo... "Nos meus sonhos tão sonhados, em destinos cruzados, Que nos volvem... Num só ser..." Parabéns, me foi uma grata descoberta o teu blog, muito bonito.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário