"A Mar"

Não saberei, amor, amar para além de ti,
Desta fantasia que crio em sonhos meus,
Quando me deito e te chamo sem fim,
Na pele molhada, no sabor a mar que há mim.
Não será a partida, amor, que a mim me sufoca,
O medo de perder, a fraqueza do homem,
Morro eu de amor quando, este, não brota,
Em efémero sentimento, daquele que não se nota.
O que me aflige, o que me assombra o desalento,
É o tempo em que caímos, em que somos esquecimento,
Em que tu e eu, poderemos não ser nós,
Em que te procuro e não te encontro,
Em que sonho contigo, calado, a sós...


Comentários

  1. Amo-te Por Todas as Razões e Mais Uma Por todas as razões e mais uma. Esta é a resposta que costumo dar-te quando me perguntas por que razão te amo. Porque nunca existe apenas uma razão para amar alguém. Porque não pode haver nem há só uma razão para te amar.
    Amo-te porque me fascinas e porque me libertas e porque fazes sentir-me bem. E porque me surpreendes e porque me sufocas e porque enches a minha alma de mar e o meu espírito de sol e o meu corpo de fadiga. E porque me confundes e porque me enfureces e porque me iluminas e porque me deslumbras.
    Amo-te porque quero amar-te e porque tenho necessidade de te amar e porque amar-te é uma aventura. Amo-te porque sim mas também porque não e, quem sabe, porque talvez. E por todas as razões que sei e pelas que não sei e por aquelas que nunca virei a conhecer. E porque te conheço e porque me conheço. E porque te adivinho. Estas são todas as razões.
    Mas há mais uma: porque não pode existir outro como tu.

    Joaquim Pessoa, in 'Ano Comum'

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sábias palavras, bonitos sentimentos sem dúvida.

      Obrigado :)

      Eliminar

Enviar um comentário