"Tempos"

Sentia a tua expiração na minha pele, a noite caía,
Eu caía com ela, tu caías em mim e, juntos, caíamos naquele enrolar de corpos,
De sentimentos, de segredos, de mordidas em que, o sabor,
Ficava na boca, naquela que te pedia, que me iludia,
Que nos prendia.
Ouvia o teu respirar bem perto de mim,
Nas minhas mãos, em sonhos vãos, em poesias de...
Quem se quer tão bem.
Não eram precisos eufemismos, minimalismos de promessas,
Vãs travessas, ruas apertadas.
Eramos apenas nós, sós,
Naquela cumplicidade partilhada em que, o silêncio, não era nada,
Em que, olhando o teu rosto, confessava a minha paixão.
Ficamos os dois naquele colchão, contando as estrelas que se viam além daquela janela,
Naquela sinfonia bela,

Na beleza da nossa complementaridade...


Comentários

Enviar um comentário