Casa...

O teu corpo permaneceu no meu, naquele quarto iluminado por um candeeiro velho a óleo, aquecido pela presença dos nossos seres. Emanava do leitor de discos uma banda sonora, uma melodia compassada, de ritmos que caiam bem na noite, numa noite descansada. O prazer hoje era deixado de parte, aqui residiam os afectos, nos braços, nos corpos, na pele. Olhando nos teus olhos perdia-me na sua cor, o mar hoje por cá está revolto e, as mantas formam o refúgio, nesta nossa baía de encantos, nestes secretos encontros do nosso respirar. Hoje fomos condes, condes deste chalé de madeira, de sonhos reais, da pura imaginação da nossa vontade...




Comentários

  1. É sempre bom e inspirador vir aqui :)

    ResponderEliminar
  2. ... sempre um "Bon Vivant" de afectos, de emoções, de constantes e prazerosas sensações... ;))

    ps:lindo texto!!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário