Um Intervalo...


Hoje deixo-vos uma outra versão, uma outra forma de sentir. Hoje deixo uma história, uma vida, uma escolha. Sejam felizes com o que têm antes que a vida vos ensine a amar o que tinham. Coloquem a musica e deixem-se ir...

Não sinto, não sinto a presença, a ausência e muito menos a paixão.
Não sinto a vida a correr nas veias, não sinto o sonho a tomar expressão.
Não sinto raiva, não sinto amor, não sinto nada, não sinto verdade.
Deixei de sentir, arrastei-me pela estrada, acreditei no olhar e enganei o coração.
Não sinto nada mas é nesse nada que me sinto completo.
Não sinto as nuvens, o sol que queima, ou a adrenalina que me faz despertar.
Não sinto as letras, não sinto as melodias, não sinto o que queria vivenciar.
Deixei de ver na vida o que antes via, deixei de acreditar que a verdade é apenas nossa.
Não sinto-te em mim, não me sinto em ti, sinceramente não me sinto.
Não sinto que seja eu, não sinto que sejas tu, não consigo sentir um nós.
Não sinto mais, não quero sentir mais, não sei mais sentir.
Não sinto,
Não me sinto,
Não te sinto,
Só sinto que nem sei o que é mais sentir...



Longe, bem longe...





Comentários

  1. já tinha saudades tuas!!Lindo como sempre :) Beijocas*

    ResponderEliminar
  2. André,

    as tuas palavras deixam transparecer um pouco a descrença no teu sonho...
    Espero que estejas bem... não gosto de te sentir assim tristonho! Sweet Dreams!

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  3. r: muito obrigado, mas se fizermos comparações diria que as minhas palavras serão uma normalidade dentro da contagiantes e sublimes palavras que preenchem este teu cantinho que transmite o que te vai na mente e nos faz ficar agarrados a tão grandioso céu.

    ResponderEliminar
  4. adoro a música. E a conjugação com as palavras torna tudo muito completo.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário