Entre o querer e não querer ter...


A vida mostra o caminho, por entre dúvidas e hesitações, haverá sempre o momento em que vemos com claridade o que queremos, o que desejamos e que nos torna mais felizes. Com o passar do tempo, passamos a querer de outra forma, de desejar de outra maneira e a conceber a nossa própria verdade. Nesse instante tornamo-nos nós, apenas nós nas vontades, apenas nós nas realidades que se tornam vividas e não apenas sonhadas. Crescemos, crescemos não por fora mas sim por dentro e é isso que conta? O que vale amar uma carapaça sem conteúdo? O que vale amar uma imagem despida de sentimentos? Há coisas que não se perdem com o tempo, a amizade, a cumplicidade, o querer, a partilha, já a aparência, degrada-se deixando na imensidão do ser uma ausência que não pode ser colmatada. A beleza das pessoas é dada por o que elas acreditam, os valores que têm, as escolhas que tomam, a forma madura como concebem uma relação em detrimento de aventuras colecionáveis que não trazem felicidade, ou então dão apenas uma felicidade momentânea, sem prolongamento. Hoje aqui falo de felicidade, de uma felicidade que se alcança por nós mesmos, sempre que fazemos o que queremos, sempre que conseguimos viver o que, em tempos, parecias utopias inalcançáveis, sonhos que apenas iriam permanecer em sonhos nossos. Nada é negado quando a força é grande, quando caminhamos por nós, dispensando atalhos, tentando seguir aquele caminho, o caminho que realmente queremos. Nada é substituível, as pessoas, os lugares, os sentimentos, os momentos. Tudo tem o seu lugar, e nós? Nós temos o nosso lugar, o nosso porto de abrigo, aquele mundo de segredos, de amores e desamores. Somos humanos errantes mas é no erro que se aprende, no cair que se cresce, no amar que se sonha, no viver que se avança. Somos bem mais do que aquilo que os outros vêem, porque nem todos param para ver, nem todos tocam sentindo...


A vida não seria bem melhor se não adiássemos momentos? Se não fugíssemos de sentimentos? Se não desistíssemos de projectos? A vida é uma e o melhor é vivermos nem que seja para um dia termos história e não uma série de suposições...



Comentários

  1. E o problema é mesmo esse, é as pessoas não pararem para olhar com olhos de ver, para sentir com o coração e ter a sensibilidade necessário para ver os outros e pior, se verem a si mesmo. Há pessoas que julgam não conhecer os outros quando na verdade nem a elas próprias se conhecem.

    beijinho*

    ResponderEliminar
  2. Muitas vezes nosso querer é suprido em detrimento da vontade de outras pessoas, arriscamos para sermos felizes sem olhar o outro. Isso torna-nos cada vez mais insensíveis e desprovidos de valores. Corrobora a última frase: "nem todos tocam sentindo..."

    Beijo!

    ResponderEliminar
  3. Olá Olá,

    Hoje começo por falar do artista musical, grande artista, grandes temas e musicas, gosto! Aliás está tão bem como tu, grande artista na escrita, dominas muito bem este mundo :P

    Grande verdade: "Somos humanos errantes mas é no erro que se aprende" além disso acrescente que o nosso maior erro é negar que erramos e nunca tirar proveito e crescer com o erro. Acreditamos demasiado que somos imortais, perfeitos e tudo de bom xD

    Abraço

    ResponderEliminar
  4. Muito obrigada! Por um lado, compreendo o que dizes; por outro, não sou capaz de apoiar a minha felicidade em mim própria, porque não sou capaz de confiar em mim singularmente... <3

    ResponderEliminar
  5. Gosto dos teus textos. Concordo contigo.

    http://euacreditoproject.blogspot.pt

    ResponderEliminar

Enviar um comentário