Carta envida...


Submersos, submersos vivemos tantas vezes nos nossos receios, nas nossas hesitações, naquelas barreiras que criamos em nós que nos fazem avançar sem seguir, seguir somente na corrente de um largar. Vivemos no querer que nem sequer tem voz, num querer que nem sequer fala porque calamos, calamos sem sentir, somente obedientes ao pensar que tanto nos engana, que tanto nos prende. Soltar as amarras, deveremos solta-las, viver cada dia, cada instante, marcante, vibrante, ou até mesmo desmotivante, mas vivê-lo, sentindo-o, respeitando-o, aprendendo com os nossos próprios erros. Quando escrevo, deito estas palavras ao vento, palavras que falam de sentimento, de um sentimento que tanto pode ser meu, como teu, ou até mesmo um sentimento que já vivemos numa parte ou num capitulo das nossas histórias. Acreditar em nós é acreditarmos naquilo que somos, no que queremos, no que vivemos. Acreditarmos em nós é sermos fieis aquilo que seguimos, aqueles que nos acompanham. Custa tão pouco viver, custa tão pouco sentir mas, por vezes, esquecemo-nos disso, esquecemo-nos de viver mais um dia preferindo procurar um mais que é tão menos do que aquilo que temos nas nossas vidas. Sorrir é o melhor caminho, sorrir e sentir o amor que temos, o amor que partilhamos, com quem nos faz bem, com quem nos faz falta. O passado fará sempre parte de nós, parte dos nossos caminhos e das nossas aprendizagens, mas é passado e viver nele não contempla um futuro que está perante os nossos olhos. Viveremos então, viveremos sem tempos, sem desculpas, apenas viveremos na humildade do querer, na pureza do sentimento, na verdade das escolhas que tomamos...




Hoje está aqui um post diferente, a acompanhar o meu texto está um pouco do trabalho de um grande profissional, na minha opinião. Poderão encontrar mais trabalhos dele nos links que irei deixar de seguida. Desfrutem vale a pena perdermo-nos nas imagens que ele capta :)


Comentários

  1. Viver sabe bem. Nem sempre é fácil, mas viver é isso mesmo: um desafio.

    ResponderEliminar
  2. Não podia estar mais de acordo. Mais palavras fantásticas, e como sempre, surpreendes-me! Beijinho *

    ResponderEliminar
  3. Antes de mais, deixa-me felicitar-te por mais este lindo texto que aqui partilhaste. Sigo-te e delicio-me com cada um deles!
    E queria agradecer-te pelo último comentário. A tua opinião é das que tenho em maior consideração devido à grande admiração que tenho por ti, e por isso ler os teus elogios motiva-me imenso!
    Muito obrigado, e um grande abraço para ti!

    ResponderEliminar
  4. Olá, bem nem imaginas o quão feliz me deixou ao vir visitar o teu espaço e deparar-me com os meus registos a acompanhar o teu texto, deixa-me mesmo muito feliz é uma honra até. Porque estas tuas palavras preenchem de uma forma tão completa e genuína o que criei com aquelas simples fotografias. Como disse ontem, é o casamento perfeito.

    É verdade caro amigo, custa tão pouco viver, na verdade é algo simples nós é que complicamos demasiado que nos esquecemos da essência das coisas do viver, do sentir, do dar e do partilhar. Para nós cada vez mais a vida é um dado adquirido que deixa de ser vivida, apreciada e saboreada.

    Concordo muito com a parte em que falas no viver sem desculpas é uma grande verdade, porque muitas das vezes vivemos até com pena de nós e arranjamos desculpa para isto e para aquilo, o que nos impede de prosseguir e atingir os nossos objectivos, na verdade o maior obstáculo a nós próprios somos mesmo nós, impressionante como a nossa complexidade estraga a simplicidade das coisa, felizes os que se conseguem ver livres destes dilemas e imperfeições.

    Forte Abraço e o meu muito obrigado por tudo e por esta grande alegria e gesto =)

    ResponderEliminar
  5. Estás sempre de parabéns pela tua escrita maravilhosa :)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário