Tudo muda, tudo fica para trás...

(Hoje tirem um tempo, leiam-me cada palavra, sintam cada passagem que aqui deixo, cada fragmento que aqui defendo. Sejam felizes, únicos, sejam apenas vocês mesmos SEMPRE. Tenho andado com pouquíssimo tempo mas irei passar pelas “casas” de quem aqui me tem deixado palavras muito boas. Beijos e Abraços.)
Somos fragmento de um mundo em construção, insignificantes para uns, imprescindíveis na vida daqueles que fazem parte de nós. Somos dualidade, a instabilidade de uma partida e a felicidade de uma chegada, somos tão imprevisíveis, somos tão nós. Agarramos mundos, vivemos sonhos que um dia foram constante no nosso viver. Amamos e erramos, sentimentos com intensidade um amor que acaba esquecido pelas vicissitudes de uma vida, pela fraca força de um destino que afasta pessoas, que junta amantes, que desperta projectos em quem se complementa no olhar, no sentir. Instantes marcam e sempre que se pede de mais, ganha-se de menos e isso custa, isso custa aos olhos de quem não entende que erra, de quem prefere ser réplica de um outro alguém, de uma pessoa que se torna ideal, mas que na verdade jamais será espelho de quem a imita. É na diferença que se encontra a essência de cada pessoa, é na sua forma peculiar de pensar, de agir e amar que se encontra o amor dentro do peito de quem acredita em si, de quem mostra como realmente é, contemplando as suas fraquezas, enaltecendo as duas virtudes. Somos tudo ou nada, somos tão reais e noutros momentos simples humanos banais, tão presentes, ausentes e até mesmo pedintes de um sentimentos que teima em não chegar, que passa mesmo sem tocar. Nesta vida, nesta pequena etapa da nossa passagem o que conta é viver na verdade daquilo que se coaduna connosco, é amar sentindo, é querer pedindo, é viver repartindo...






Comentários

  1. Mais uma vez gostei imenso do teu post!!
    Beijinhos :)

    ResponderEliminar
  2. Cada um devia tentar ser único à sua maneira, não é assim?

    ResponderEliminar
  3. Acredito que existem pessoas que se sentem mais felizes a fazê-lo, ser "cópias" de outros para se sentirem mais integrados ou coisa parecida, mas grande parte delas vêm a arrepender-se tempos depois. E é triste porque nessa altura é tarde de mais, já se esqueceram de quem eram realmente...

    ResponderEliminar
  4. São as pequenas grandes coisas que nunca vão mudar!

    ResponderEliminar
  5. AMEI MESMO!
    Deixas-me ler na minha aula de português?

    ResponderEliminar
  6. replecto de verdades, sempre que leios estes textos, ganho inspiraçao para as minhas fotografias do 365 :P

    Abraço

    ResponderEliminar

Enviar um comentário