Fortes momentos...

Foi naquele instante, naquele tempo em que o olhar se prendeu, em que o coração começou a mostrar os sinais de um amor, de um verdadeiro amor que me invadiu o peito e fez de mim bem mais do que uma simples pessoa. Naquela casa, naquele jardim, vivemos um amor, o nosso amor construído sobre os sonhos sonhados e as palavras largadas ao vento. O olhar era mais forte do que os silêncios que nada diziam, que tudo mostravam. As mãos procuravam umas as outras e os nossos corpos pediam a proximidade das nossas almas, o juntar do nosso sentimento. Eram dias assim, em que o sol batia sobre as árvores e nós caminhávamos sobre as folhas secas que estavam espalhadas pelo chão, naquela nosso cantinho, naquele lugar plantado sobre o rio em que tantas vezes passeamos naquela gôndola que construímos com as nossas próprias mãos. Recordações, são estas recordações que me prendem a ti, que fazem lembrar de nós, são estes laivos que me fazem acreditar nos sonhos, naquele sentimento que contigo vivi e acabou perdido sob a forma de um desaparecer, sob um manto de neblina que te levou para jamais voltares. Hoje aqui me encontro, aqui sou mais um pouco de ti, um pouco que deixaste dentro de mim, neste meu coração deslaçarado, neste corpo efémero que já nem sabe se aguenta um novo amor, um novo recomeço. Enxugo as lágrimas que deixo verter neste banco em que tantas tardes vivíamos momentos cúmplices, tardes em que os sorrisos eram constante, uma constante que hoje já nem encontro em mim, já nem descubro neste nosso pequeno grande mundo. Um amor assim, um amor capaz de romper barreiras, de se entregar nos mais simples momentos, amor em que dei tudo de mim e em que recebi de ti bem mais do que esperava. Mais uma história, mais um tempo em que te vi escorrer-me por entre os dedos esperando, que um dia, esse amor voltasse a habitar dentro de mim, voltasse a fazer parte da minha história, parte do nosso conto encantado...




Espero que gostem desta nova história que aqui vos deixo :)

Comentários

  1. Olá André,

    Nova imagem no painel. Obrigada.
    Pois, como era de esperar, li o teu texto todo, para me poder pronunciar.
    Hoje falas de amor, assunto, de que,raramente, falas, aliás, és tu e eu.
    No meu próximo poema meu, traz garfo e faca, porque falarei de culinária, e podes querer "comer", e quem disse, que o amor não deve estar em banho maria, cozer, ao de leve, apurar e depois servir quente. Só a vingança é que se serve, fria.

    FORAM MOMENTOS FORTES! Sabes lá se não virão outros ainda mais fortes?

    Esses recantos, onde se davam, se perdiam e se encontravam, fazem parte da vossa história, da história de qualquer casal apaixonado.

    MAS AS PAIXÕES SÃO COMO OS VENTOS, NÃO SOPRAM, SEMPRE, DO MESMO LADO. VARIAM, dizem os entendidos.

    FOI UM CONTO DE FADAS, E COMO TAL TEVE O SEU FIM.

    Beijos de luz.

    ResponderEliminar
  2. Ah! André deixa-me dizer-te, que as imagens, que escolheste para emoldurar o texto, estão, ingenuamente, perigosas e belas.

    Beijo de luz.

    ResponderEliminar
  3. Tão lindo :) Acreditar num amor devia ser tarefa obrigatória quando este existe entre duas pessoas. O problema é que nem sempre é assim, então as pessoas desistem à primeira dificuldade :/ Infelizmente já passei por isso :)

    Um beijinho

    ResponderEliminar
  4. André,

    "Não há fome, que não dê em fartura",e o provérbio e quem o concebeu,tinha e tem razão.
    Mas eu comentei os teus textos, estive a verificar há pouco, nos dias 21, 25 de janeiro e 05 de Fevereiro, portanto, não estive dez dias sem te visitar.
    Agora, por recantos, lembrei-me há pouco, da canção do Paulo Gonzo, "Jardins Proibidos", que fez chorar "baba e ranho" a muita menina e menino.
    Bom, mas há quem chore com os teus textos. É assim, são muito sensíveis!!!!!!!!!!!! ou são outra "coisa" qualquer, que agora, não me ocorre (é da idade, como comprendes), mas não sei se isso acontece devido ao dourado das estrelas ou ao prateado do sol, mas que acontece, acontece. Já sei pões pozinhos de prelim pim pim.
    Pois, a mim os teus textos não me fazem nem rir nem chorar, fazem-me pensar e sentir o amor HETERO.

    GARFO E FACA SÓ 6ª FEIRA, À NOITE. COMBINADO? ESPERO POR TI. VEM, OU MELHOR, SUGIRO, ROUPA DESPORTIVA, SEM GLAMOUR.

    Um beijo, "moço marafado".

    PS: Não te estou a estragar o blog, estou a pôr os cérebros a pensar.
    Olha, vou tomar cafei com léte (ninguém, entendeu).
    Não agradeças. Não faço nada contrariada.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário