Simplesmente fala-se de amor...

O amor ganhava vida naquele pequeno refugia, naquele momento em que ambos entregavam o seu coração, sem receios, sem medos, apenas e somente com a força de um sonho sonhado e ali vivido, pelos dois, por o amor que transportavam dentro dos seus peitos. O destino assim os juntou, caminharam por caminhos distintos, diferentes em paisagens, em pessoas, em momentos e até mesmo na maneira como concebiam o amor, mas, o sonho era igual, era espelhado da enorme vontade de serem felizes e isso os uniu, cruzou a linha da vida deles unindo-os, juntando-os numa história em que as personagens principais eram apenas eles e só eles, imunes ao mundo exterior, esquecidos de tudo o que eram barreiras e erros de um passado. Sabiam que o momento era único, que aqueles instantes eram mágicos, tão mágicos que deveriam ser aproveitados da melhor maneira, com a maior intensidade que um dia deram a algo que possuíram, a algo que os fez verdadeiramente felizes. Viviam e vivem o amor de forma simples, alimentam-se de sorrisos e de palavras que aquecem o corpo mas sobretudo o coração. Consideram o amor livre, livre nas pessoas, nas horas e nos minutos, entregam-se ao que chamam de provas de amor e não a promessas vazias que sabem que podem não ser cumpridas, não se iludem mas, da mesma forma, isso não os impede de sonhar, não os impede de projectar um futuro muito para além dos dias que vivem, deste presente que para eles é uma prova de que o amor existe mesmo, de que o tempo pode demorar mas que quando chega o momento certo, tudo se torna diferente, tudo tem outra cor. Agora pintam a vida deles, pintam com as cores alegres de gestos e cumplicidades que ambos conhecem tão bem, conhecem-se um ou outro, respeitam o passado e vivem o presente, aquele que constroem passo a passo como se de uma peça rara tivessem a cuidar, sabem que o amor deles é diferente mas é nessa mesma diferença que reside aquilo que lhes faz feliz, aquilo que eles podem chamar de sua história de amor...




Comentários

  1. Gosto sempre de percorrer as linhas dos teus textos. Lindo:)

    ResponderEliminar
  2. Bem, se soubesses o gozo que dá ler estes teus textos e vermo-nos, não como escritores claro, mas como personagens nos mesmos!
    Escreves de uma maneira tão solta mas ao mesmo tempo tão organizada, consegues prender a atenção do inicio ao fim!
    Quando chego ao fim do texto sinto-me como se o tivesse vivido mas é aí que constato que realmente o vivi e vivo presentemente.
    Espectáculo de texto muito sinceramente, mais um como já nos habituaste!

    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. Mas um texto brilhante. *.*
    Concordo contigo em tudo. O melhor que o amor tem para oferecer está na sua simplicidade. Ele não precisa de promessas, de provas de amor exorbitantes, nem de luxos, ele está em cada sorriso em cada palavra e em cada gesto. :)

    ResponderEliminar
  4. Ler-te é como entrar em outra dimensão, em um sonho. E vivenciar cada momento em cada palavra que você escreve. É um amor imenso que contagia ^.^
    Adoro muito!

    ResponderEliminar
  5. Já sabes que adoro os teus post, mas hoje, infelizmente, não tenho capacidades para ler mais nenhum pois pesam-me as pálpebras com sono... :)
    Talvez seja pela falta de capacidade de raciocínio que me afeta neste momento, mas não consigo deixar para além de um simples "gostei muito" (e que é verdade!) e que lamento por não continuar a ler os posts seguintes, como se de mais um capítulo de um livro se trata-se. Pois da mesma forma que os capítulos vão avançando com a história, vejo nos teus post o avançar da TUA verdadeira e real história e do que sentes e vives. E que felizmente (para ti e para quem te seguem) vai sendo feliz e bonita! (embora de certeza que tens algumas chatices na vida, mas o que importa e que guardas em ti são os bons momentos e o que mas te dá inspiração!)

    Um grande abraço!
    (até amanhã, espero Eu!)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário