Rasgos de vida...

Vida, apenas simples reflexo das minhas acções, dos meus amores e desamores, do meu lutar e do partir doloroso de um amor perdido. Amor, palavra complexa, realidade vivida, sentimento que transborda dentro do meu ser fazendo de mim seu personagem, simples e eterno apaixonado pela vida e vivo por este meu sentir. Sou simples palavra rasgada e coração aberto, a carta que tanto escrevi para ti e as letras que ganham vida no peito de quem as sente. Quero alcançar as estrelas e irei lá chegar, irei ser o que sempre não fui, mas o passado, esse, faz parte da minha história mas não define quem sou agora. Desistir é a palavra que não encontro em mim, partir sim, mas desistir do que me faz feliz não concebo neste meu amar, nesta minha forma de vida em que a cor de cada capítulo é dada por mim, dada por um amor que transporto dentro do meu peito, agarrado a este meu sonho de criança. Errei, errei nesta minha vida, mas quem não erra é porque não vive e eu jamais poderia passar por cá sem sentir o que senti, sem arriscar. Perdi, perdi muito mas isso deu lugar a que ganhasse o que mais verdadeiro há em mim. Chorei em noites frias, amei em dias quentes, vivi por alguém que quase me sufocou, morri por alguém que me abandonou. Já colei o coração, já remediei cada ferida que se encontrava em mim, já fui coberto de escaras, hoje já nem as quero sentir novamente em mim. Já gostei da beleza, já a vi como sento o único conteúdo, aprendi que não é assim, que todas as pessoas podem ser bonitas por fora mas nem todos os conteúdos o conseguem ser, já fui imaturo nas minhas acções e já me arrependi de momentos em que nem me reconheci. Hoje sou simples reflexo do que cresci, do que lutei, do que amei e desprezei. O passado lá ficou, com as pessoas que nem sequer permaneceram, com os erros que me ensinaram, com as músicas que me acompanharam e com a dor que já nem me lembro como era. Agora vivo, livre em mim, ancorado em nós, vivo num mundo meu, num mundo nosso em que os outros são parte integrante mas jamais importante como antes o eram...


In simplicity,discover perfection ♥

Follow your bliss and the universe will open doors where there were only walls.  - Joseph Campbell

Espero dar respostas ao que me têm vindo a deixar no Fim-de-semana mas o tempo parece não esticar. Beijos e Abraços :)

Comentários

  1. Mais uma vez, texto lindo, as palavras correctas. Mas gostei particularmente de algo que disses-te: "Desistir é a palavra que não encontro em mim, partir sim, (...)", não podia concordar mais com isto, perfeito *

    Beijinho

    ResponderEliminar
  2. «Chorei em noites frias, amei em dias quentes, vivi por alguém que quase me sufocou, morri por alguém que me abandonou. Já colei o coração, já remediei cada ferida que se encontrava em mim, já fui coberto de escaras, hoje já nem as quero sentir novamente em mim.», tocou no coração, ficou perfeito.

    ResponderEliminar
  3. Agora quem se revê nas tuas palavras sou eu!
    Vejo em ti e neste texto, uma retroespeção a tudo o que se passou e tem passo contigo, e tudo o que de bom e de mau aconteceu...
    É bom fazeres isso e teres perfeita consciência de tudo o que fizeste bem e tudo o que de mal fizeste! E o mais importante foi, não só, conseguires perceber e consiêncializar-te disso, assim como veres tudo pelo lado bom/positivo que isso te trouxe à vida!
    É claro que sofres-te, cometes-te erros, mas aprendes-te e tens a certeza que não te arrependes de nada do que fizeste, até porque se não o tivesses feito, não terias aprendido a amar e dar o melhor que de ti tens para dar (e receber dos outros!)
    (Nestas palavras tenho receio de estar a querer fazer uma forçosa interpretação do que tu és...)

    De forma muito sitética e resumida queria resumir as palavras que me fazem rever neste texto:
    - Amor
    - Passado;
    - Errar;
    - Desistir (como algo que não existe no vocabulario)

    Por mais que vá escrever sobre este texto, acho que será sempre pouco!
    Por isso, com medo de não conseguir escrever tudo o que sinto ao ler o post e fazer "asneira", assim como com ansiedade por ler mais um post teu, despeço-me!

    Abraços!!!

    ResponderEliminar
  4. Tens razão, a tua escrita tem uma semelhança de verás igual à minha. Somos parecidos, passámos por momentos complicados. Deixámos para trás uma conjuntura de atitudes que se calhar, nos dias que correm não as voltaríamos a tomar. O importante é que crescemos como seres e tomámos noção dos erros cometidos. O que a vida nos levou por algum motivo foi. O que a nós pertence já se encontra algures por aí. Quem sabe diante de nós, ou por de trás de um belo texto. O certo, é que somos pessoas. Com experiência e razão de ser, com um passado doloroso mas um futuro digno! Estimo muito a tua escrita! :) Beijinho *

    ResponderEliminar

Enviar um comentário