Simples sopro...

Seguia o teu olhar em gestos ternos de uma cumplicidade inexplicável, nos teus pensamentos perdia-me e encontrava-me, arrancava do peito o coração e depositava sobre as tuas mãos, aquelas que o iam segurando num momento em que o amor era superior a tudo, como sempre deveria ter sido. Os passos tornavam-se gastos e as sombras conseguiam chegar junto de nós, dos nossos corpos desnudos e sem protecções, éramos, assim, a imortalidade de um amor mortal, o sentir de um bater descompassado entre o ter e o sonhar, o querer e o partir. Foram os fados que ficaram, os que falam de saudade, de uma saudade em que a distância nada representa  por mais próximos que os corpos estejam, os olhares perderam-se, as palavras calaram-se e o amor, esse, começou a ser a efemeridade maior na nossa história, nas nossas duas vidas. Hoje não me arrependo do que foi vivido, dos dias passados, das horas perdidas num capítulo que vivia de reticências e não de um ponto final. Foi o arrastar, foi o caminhar sobre asfaltos vivendo na insegurança de um amanhã, daquele mesmo que um dia pareceu tão planeado, tão lutado. A dor nem existe mais, e as recordações francamente não me fazem afogar num mar de desilusões, porque essas apenas se dissiparam com outros amores vividos, com outras histórias criadas, sem ser aquela que conhecia contigo, a minha primeira grande história. Os dias passaram e crescemos, pelo menos eu cresci e amadureci o que chamo de amor, aquele sentimento capaz de alterar a minha realidade mas nunca colocar uma mentira num lugar de uma verdade que para mim se torna inquestionável. Não sei mais de ti, não sei mais de mim e, francamente, o amor parece perdido no meio das tralhas que aqui guardo, parece que nem tudo é justo, que nem sempre quem ama verdadeiramente é quem consegue viver numa felicidade que todas ambicionam mas que somente alguns vivem. As histórias são criadas pelos sentimentos que nelas depositamos, pelos sonhos que vamos sonhando e pelas batalhas constantes entre o romper barreiras e o partir sem mesmo avisar. O amor é mesmo assim inconstante e intemporal, num sopro de vento pode nos arrastar, pode nos colar num outro coração ou até mesmo nos fazer afastar. É nesse momento que o amor perde-se, esse mesmo sentimento reinventa-se noutro lugar, com outra pessoa, com outra mesma verdade e o que ficou no passado lá permanece mas fica sempre a réstia de uma saudade e dessa jamais poderemos fugir...








Comentários

  1. oh muito obrigada! foi muito bom poder ler isso,vindo de ti,que escreves tão bem. e sim eu concordo inteiramente contigo,quando as coisas são feitas com sentimento,amor,carinho,é muito melhor de se ver e ler:)) um obrigada gigante, e um beijinho

    ResponderEliminar
  2. obrigada pelo teu comentário :)
    tens sempre textos maravilhosos, a tua capacidade de escrita e de expressar tão bem o sentimento, porque me prende até ao final da leitura, é espantosa! beijinhos e continua *

    ResponderEliminar
  3. Olá querido André,

    Quando estava a ler o teu texto, lembrei-me da seguinte imagem, da seguinte comparação. Vamos entrar nas metáforas, hipérboles e afins.

    TU ÉS UM DESLUMBRANTE EDIFÍCIO, IMPONENTE, MAS PINTADO DE FRESCO.

    Assim, todo e qualquer sopro, toda e qualquer poeira te abana e fica lá marcada, pegada.

    Mas, vais "secar" e depois, podem vir tsunamis, de preferência de amor, que permanecerás BELO , INTOCÁVEL E FORTE, para o que der e vier.

    Depois, tem cuidado e não te aproximes, nem muito nem pouco, das "coisas" pintadas de fresco. São sensíveis, vulneráveis e perigosas.

    A FELICIDADE ESTÁ QUASE A CHEGAR, MAS QUE SEJA FELICIDADE VERDADEIRA.
    Se assim não for, "vai bebendo nas fontes, MAS COM PRECAUÇÃO"

    André, os Portugueses são saudosistas, por natureza. NÂO É CRÓNICO, É BIOLÓGICO.

    Quero, agradecer-te, publicamente, por teres recebido o meu mimo com tanto carinho. Afasta-o da pintura, ainda fresca.

    Beijinhos e abraços de luz.

    ResponderEliminar
  4. lá está o meu fã número um sempre atento ao que eu escrevo, não é, pedacinhos ? :')

    ResponderEliminar
  5. ahahahaha, que querido. eu já não posso dizer isso do que escreves porque não gosto :s eu ADORO :)

    ResponderEliminar
  6. o que leste é a realidade. quanto à revolta.. é inexistente. existe, apenas, uma imensa realidade.
    agradeço imenso o comentário. quando a ti... «abraços de luz.» entre outras frases. muito bom*

    ResponderEliminar
  7. um dia, quando criar os "meus favoritos" estarás lá.

    ResponderEliminar
  8. adorei o blog e os textos! sigo :)

    ResponderEliminar
  9. Também já não passo aqui no teu "livrinho" há bastante tempo (a escola não me tem permitido visitar o computador). Obrigada pela tua opinião, e claro, já tinha saudades de ler estes teus textos que continuam, magníficos.

    ResponderEliminar
  10. Espero mesmo que esses 'melhores dias' apareçam .. Estão a fazer-me falta * Muito obrigada pelas palavras! E mais uma vez, aqui está um maravilhoso texto :)

    ResponderEliminar
  11. Não há palavras para deferir tão bem estes textos. São fantásticos, mais que isso. Obrigada pelos comentários*

    ResponderEliminar
  12. Tinhas razão. E agora está tudo calmo. Obrigada!

    ResponderEliminar
  13. GOSTO DA FORMA COMO VC ESCREVE, ENVOLVE O LEITOR DO COMEÇO AO FIM! AS IMAGENS DESPERTAM A IMAGINAÇÃO DO LEITOR. ISSO É BOM, POIS DA VONTADE DE CONTINUAR AQUI POR MAIS TEMPO!

    ResponderEliminar
  14. obrigada mais uma vez , tambem adoro como escreves (:

    ResponderEliminar
  15. mais um brilhante texto para completar o meu dia. gostei muito :) continua sempre assim, sempre mesmo! beijinhos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário