Pulsação...

Sempre senti este amor tão vivo dentro de mim, é esta minha forma de viver que me deixa assim, pássaro livre do meu próprio romance, sentimento carnal, coração que bate descompassadamente sobre um corpo que só sabe sonhar. Desculpem esta minha forma de ser, de encarar o amor como algo diferente, porque na verdade é diferente para mim. Horas e segundos vão preenchendo este meu peito, mais este capítulo de uma história que não encontra ponto final, que não procura o acabar para recomeçar de novo. Tudo é apenas uma aprendizagem e a vida é somente uma, aquela mesma, que por vezes desperdiçamos presos a um passado ou até mesmo vivendo na amargura de um amor perdido. Hoje falem-me de instantes felizes, de músicas alegres mas não de fados tristes, de poesias melancólicas ou até mesmo de uma dor, aquela dor que o amor deixa sempre que parte, sempre que se torna mais um mar de espinhos do que propriamente nuvens de algodão doce. Sei que penso assim porque na verdade vivo sem medo de errar, sem medo de arriscar sempre que o sentimento se torna maior que a razão, mais incontrolável do que a vontade que o tenho de o guardar apenas para mim. O coração chama o teu nome e isso sabe-me tão bem, procuramos um por o outro sem falsas pressas, sem grandes promessas e isso na verdade mostra-me aquilo que há algum tempo nem parecia real para mim. Um amor vivido sem cobrar, sem prender, sem pedir, apenas e somente baseado na pulsação de dois corações que se amam mesmo sem perceber, que se entendem como que esta vida já tivesse sido uma eternidade...



Comentários

  1. ó que texto tão mas tão lindo *.* gosto tanto como escreves (':

    ResponderEliminar
  2. oh, muito obrigada!

    "Tudo é apenas uma aprendizagem e a vida é somente uma, aquela mesma, que por vezes desperdiçamos presos a um passado ou até mesmo vivendo na amargura de um amor perdido." - lindo, gostei bastante

    ResponderEliminar
  3. « hoje falem-me de instantes felizes, de músicas alegres mas não de fados tristes, de poesias melancólicas ou até mesmo de uma dor, aquela dor que o amor deixa sempre que parte, sempre que se torna mais um mar de espinhos do que propriamente nuvens de algodão doce. » mas que lindo, pedacinhos de mim.

    oh, não são necessárias muitas palavras para descrever um sentimento tão grande que sinto. no entanto, no meu ponto de vista, apenas é necessário ser sentido, tal como foi esse pequeno lindo texto escrito por ti.

    ResponderEliminar
  4. Tens toda a razão! Por vezes é mesmo muito melhor esperar, ter a certeza de tudo, e aí sim, apostar em algo que sabemos que é verdadeiro, e assim, pronunciar essa forte e intensa palavra, o amo-te!
    Como sempre, o teu texto está lindo, tens um jeito indescritível!

    ResponderEliminar
  5. Como já te disse imensas vezes, nem sei bem o que dizer perante estes tesouros que tu escreves. Consegues por em palavras o que sentes de uma forma tão subtil, que até chega a parecer mentira.
    Falando neste post...
    Acho que o facto de não teres esse medo de que falas abre-te imensas portas. Pois muitas vezes nós deixamos de viver por causa desse tal medo.
    Quando ao amor, é exactamente isso que tu descreves: (...) "Um amor vivido sem cobrar, sem prender, sem pedir, apenas e somente baseado na pulsação de dois corações..."

    ResponderEliminar
  6. por vezes, para contornarmos os maus bocados, faz-nos bem recordar bons momentos e boas memórias. e oh, se sabe tão bem :) que lindo *

    ResponderEliminar
  7. Gostei de algo que disseste no início deste texto... Que o amor era para ti algo diferente. E sim, concordo :) Até acrescento mais: todo o novo amor que me surja é diferente e, por isso mesmo, é vivido sempre de forma diferente :)

    Gostei :)

    Beijinho

    ResponderEliminar

Enviar um comentário