Todo o verso tem o seu inverso...

Contador de histórias, uma pessoa tão igual as outras mas que acabava por entregar-se a cada conto e a viver cada amor de uma forma única, a sua própria forma de sentir. Sonhava ser feliz e assim ia caminhando pelas pedras que colocava no chão para segurar cada passo, leve e cuidadoso na direcção de um amor que jamais se esqueceu de sentir. Não reparava nas vozes mas sim nas pessoas, não ouvi os outros e assim buscava a verdade daquela pessoa, o amor que ela transmitia em cara poro da sua pele, em cada batimento do coração que ele acreditava que se movida apenas de forma natural, verdadeira. Caiu, levantou-se e voltou a cair seguidamente, mas mesmo assim, jamais desistiu da vida, do sentir e de ser apenas quem ele era porque na verdade somente assim conseguiria ser feliz. Foi cobarde em despedidas fugidias, foi lutador de amores que tão bem sabia descrever, foi o errar mas da mesma forma foi o aprender com cada erro, com cada passo falso em que a pedra ainda nem se encontrava no solo e ele assim avançou sem olhar. Acredita no destino, coisa que antes não acreditava, acredita em vidas cruzadas e em amores que nem se chegam a tocar porque, assim, é que consegue encontrar as respostas para um partir e para um olhar perdido que tanto significado para ele tinha. Sorri para a vida porque da mesma forma sorri para quem um dia era o seu mundo, repara nos olhares e nas palavras que parecem transbordar mas que acabam ancoradas com um receio de ser feliz, com um medo de voltar a errar de novo. Hoje é apenas ele, ele e somente ele, no seu refúgio, num mundo em que não consegue encontrar o amor que acredita existir, em que nunca te chegou a tocar. O tempo voa, os sentimentos são tão voláteis que parecem simples inconstâncias de um viver, de uma estranha forma de vida em que ele se reconhece cada gesto, cada frase deitada ao vento, cada letra de música que se encaixa no momento, que retrata uma vida que poderia ser diferente...Que poderia ser feliz...

Comentários

  1. tens sempre algo doce a dizer-me e oh, é bom ter pessoas que nos seguem, oh fantásticas. e olha, adoro sempre o que escreves.

    ResponderEliminar
  2. Muito obrigada poor todos os comentarios e denada *

    ResponderEliminar
  3. Olá Pedacinho(s),

    Não lhe vou dizer, que está a sonhar, mas já sonhou.
    Daí o texto, que tão bem escreveu.
    Silêncios e mais silêncios, amor, que já não é... e nas mãos apenas o nada.
    Tenha uma noite reflexiva.

    Abraços de luz.

    ResponderEliminar
  4. "O tempo voa, os sentimentos são tão voláteis que parecem simples inconstâncias de um viver, de uma estranha forma de vida em que ele se reconhece cada gesto, cada frase deitada ao vento, cada letra de música que se encaixa no momento, que retrata uma vida que poderia ser diferente." é que está perfeito O: parabéns!

    ResponderEliminar
  5. Boa tarde Pedacinho(s),

    Agradeço as suas palavras sóbrias, mas ternas, deixadas no meu blogue.
    Irei, sempre, ao seu cantinho, repleto de estados e alma e emoções. Adoro cantinhos. Dão intimidade e conforto.

    Abraços de muita luz.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário